Menu

Produção industrial cai 2,8% em dezembro de 2014

Produção industrial cai 2,8% em dezembro de 2014

No ano a retração observada foi de 3,2%, aponta IBGE

 

Veículos automotores estão na lista de influências negativas

A produção industrial nacional apresentou, em dezembro de 2014, queda de 2,8%, na comparação com novembro do mesmo ano. Comparando-se dezembro de 2014 com o mesmo mês de 2013 a queda foi de 2,7%. No ano a retração foi de 3,2%, mantendo a trajetória descendente iniciada em março último (2,0%). As informações foram prestadas hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre os setores, as principais influências negativas foram registradas por veículos automotores, reboques e carrocerias (-5,8%), máquinas e equipamentos (-8,2%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-2,5%).

Outras contribuições negativas importantes sobre o total da indústria vieram das atividades de produtos têxteis (-12,0%), de produtos diversos (-16,3%, eliminando o avanço de 17,2% verificado no mês anterior), de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-4,6%), de metalurgia (-2,1%), de produtos de borracha e de material plástico (-2,8%), de produtos de metal (-3,0%) e de produtos de minerais não-metálicos (-1,7%).

No que tange às grandes categorias econômicas bens de capital recuou 23,0% em dezembro de 2014, na comparação com novembro do mesmo ano, Esse recuo foi o mais intenso desde janeiro de 2012 (-23,1%) e o segundo consecutivo nesse tipo de comparação, acumulando nesse período -23,3%. Os segmentos de bens de consumo duráveis (-2,2%), de bens de consumo semi e não duráveis (-1,7%) e de bens intermediários (-0,8%) também registraram taxas negativas nesse mês, com os dois primeiros apontando três meses consecutivos de queda na produção e acumulando nesse período, respectivamente, -6,8% e -4,3%; e o último com acumulado de -3,0% entre setembro e dezembro.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes