Menu

Inflação de janeiro é a mais elevada desde fevereiro de 2003

Inflação de janeiro é a mais elevada desde fevereiro de 2003

Índice foi de 1,24% no mês passado, nos cálculos do IBGE

Em janeiro, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apresentou variação de 1,24% e ficou 0,46 ponto percentual acima da taxa de dezembro (0,78%). Esta foi a taxa mais elevada desde fevereiro de 2003 (quando ela bateu em 1,57%). Já o índice acumulado nos últimos doze meses (7,14%) foi o mais alto desde setembro de 2011 (7,31%). Em janeiro de 2014, a taxa havia ficado em 0,55%. 

Os aumentos nos gastos com Alimentação e Bebidas (1,48%), Habitação (2,42%) e Transportes (1,83%) foram responsáveis por 85% do índice do mês (ou 1,06 ponto percentual). Nos alimentos foram vários os produtos que apresentaram aumentos expressivos, com destaque para a batata inglesa (38,09%), o feijão carioca (17,95%) e o tomate (12,35%).

Em Habitação (2,42%), grupo de maior resultado, o destaque ficou com a energia elétrica, cuja alta de 8,27% gerou impacto de 0,24 pp, o mais elevado no mês. Com exceção da região metropolitana de Salvador, que ficou em 0,76% em razão de redução de impostos, as demais tiveram aumentos significativos nas contas, a saber: Porto Alegre (11,66%), São Paulo (11,46%), Goiânia (9,37%), Belo Horizonte  (8,25%), Belém (8,02%), Curitiba (7,95%), Brasília (7,94%), Campo Grande (7,84%), Vitória (7,63%), Rio de Janeiro(5,98%), Recife (4,67%) e Fortaleza (2,03%).                                           

Ainda em Habitação, outros gastos se tornaram mais elevados de dezembro para janeiro: taxa de água e esgoto (1,42%), aluguel residencial (1,22%), mão de obra, pequenos reparos (0,95%) e condomínio(0,81%). 

No grupo Transportes (1,83%), destaca-se o incremento nos gastos com transporte público: ônibus urbano (8,02%), ônibus intermunicipal (6,59%), ônibus interestadual (1,21%), metrô (9,23%), táxi (2,63%) e trem (8,95%).

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes