Data Center Internacional

Banco do Brasil


Clique na foto e veja a legenda

Moderna infraestrutura nos sites dos EUA garante economia e eficiência

Ambiente centrado em software permite integração dos recursos de computação, armazenamento, rede e virtualização em equipamento único

Rose Crespo

A crescente demanda no volume armazenado, a busca pela eficiência operacional e a necessidade de rapidez no acesso de dados fizeram com que o Banco do Brasil optasse pela modernização de dois datacenters internacionais nos Estados Unidos, nos sites de White Plains, em Nova York, e de Orlando, na Flórida. Trata-se da primeira iniciativa baseada na infraestrutura hiperconvergente que confere uma estrutura simples, completa e virtualizada.

Outro ponto forte da iniciativa é o de representar um exemplo de TI verde, em função da redução do consumo de fontes de energia e refrigeração. Na lista de benefícios, a diminuição dos custos traduzida em números explica a razão da premiação conferida pelo efinance 2017 na categoria Datacenter Internacional.

No primeiro ano, a expectativa é a redução de 100% no valor dos contratos de suporte e manutenção do NetApp e de 60% no gastos com suporte e licenças de VMWare. Entre os demais resultados, destaca-se a economia de TCO (custo total de propriedade, em português) de 3,7x (70% vs business-as-usual) e o ROI (retorno do investimento) de 224%.

O ambiente inovador caracteriza-se por ser um tipo de sistema centrado em software que permite a integração dos recursos de computação, armazenamento, rede e virtualização em um equipamento único, com desempenho e eficiência operacional.

Essa moderna tecnologia é capaz de reduzir o tamanho do datacenter em média de 10:1. Isso pela sua versatilidade de gerenciamento, criação e manutenção de máquinas virtuais, redução no tempo de resposta aos acessos aos discos e do consumo de espaço em rack.

Quebra de paradigmas

A infraestrutura hiperconvergente representa uma quebra de paradigmas sobre o gerenciamento de informações em datacenters. Sua aplicação nos ambientes de TI garante sinergia com a commoditização da TI, que promove uma guerra de preços entre os fornecedores pela oferta de serviços e produtos. “Estamos falando de inovação, eficácia operacional, segurança e escalabilidade”, ressaltou Marcelo Moraes Seder, IT deputy manager do BB.

Este foi, por sinal, um dos dois projetos vencedores de datacenter que o time do BB conquistou neste ano. “O reconhecimento é importante para a motivação da equipe”, disse Seder.

Para evitar que os clientes tivessem problemas no acesso aos serviços, a “caixa forte de dados” do BB permite a recuperação de 100% das informações em caso de algum evento ou desastre em qualquer um dos sites nos EUA. “O objetivo é garantir a integridade das informações no ambiente na América do Norte e Caribe. A infraestrutura está preparada para a rápida recuperação e segurança”, garantiu o executivo do BB.

Essa moderna arquitetura confere uma estrutura simples, completa e virtualizada, com todos os ativos de rede integrados, assim como a deduplicação e a compressão de dados armazenados, controlados por software de gerenciamento com interface única. Na comparação com a tradicional infraestrutura de convergência, o ambiente implementado pelo BB apresenta desempenho superior no acesso aos dados.

Uma só máquina possui capacidade de processamento, memória, armazenamento e rede de comunicação para a virtualização de servidores Windows e/ou Linux. O hardware é controlado por uma interface única da Vmware, simplificando as atividades de manutenção e operação.

Em dois meses, o projeto foi instalado dividido em duas fases: a primeira em fevereiro no site de White Plains e a segunda em março, na Flórida. “Saímos da zona de conforto com a quebra de paradigmas e conceitos”, disse Seder. Durante o processo, não foi registrada nenhuma interrupção dos serviços de TI. Todas as instalações e configurações dos equipamentos foram realizadas em horário normal de trabalho, sem o conhecimento dos usuários e com total segurança.