Cloud

Banco do Brasil


Clique na foto e veja a legenda

BB cria portal self-service para seu ambiente de hospedagem

A redução do tempo de entrega de servidores e de serviços virtuais caiu de dois a quatro dias para 30 minutos

Edilma Rodrigues

O Banco do Brasil criou um portal self-service para “orquestração de pedidos”, que automatizou a solicitação, criação e entrega de servidores virtuais e de serviços de seu ambiente de hospedagem. O projeto, iniciado em janeiro e concluído em maio de 2017, garantiu agilidade na instalação e entrega de máquinas, com redução de dois a quatro dias para 30 minutos.

Houve também padronização das configurações e conformidade dos servidores às normas internas e externas de segurança da informação. A empreitada dotou o BB de IaaS (Infraestrutura como Serviço) e PaaS (Plataforma como Serviço) e, assim, garantiu o Prêmio efinance na categoria Cloud.

O gerente executivo da Gesit (Gerência de Suporte e Infraestrutura) do Banco do Brasil, Ítalo Marcus Rodrigues Freitas, explica que as diretorias do banco precisavam testar/homologar e implementar os mais diversos sistemas para atender desde demandas pontuais até algumas imediatas do negócio.

“A solicitação era feita por e-mail; abria-se a demanda, que passava por um processo de controle e registro de atividades. Agora, as demandas de criação de máquinas para as diretorias são solicitadas diretamente no portal. Todos os processos foram automatizados”, descreve.

Dada a preocupação com a alta disponibilidade ao criar o recurso/serviço, foram feitas diversas integrações e desenvolvimentos: endereçamento de rede, registro de DNS, instalação de agentes para monitoração, backup, etc nos bastidores do portal. “Ao final, foram criados formulários com ofertas padronizadas e personalizadas, tudo a gosto do freguês! Importante frisar que todas as ofertas tinham como base um catálogo de serviços”, informa o gerente executivo.

Outros benefícios trazidos pela nova infraestrutura foram: aprimoramento do controle de servidores virtuais; aumento da eficiência no uso dos recursos de TI e de infraestrutura já em produção no banco; controle das versões de softwares e de configurações no padrão adotado pelo Banco do Brasil.

A automação aumentou a produtividade das equipes, que puderam focar no negócio, e ainda houve redução nos custos. “Da mesma forma, são esperadas reduções de chamados em help-desk ou de reclamações junto às áreas gestoras”, finaliza Freitas.