Segurança BYOD

Bradesco


Clique na foto e veja a legenda

Projeto resguarda informações e melhora eficiência operacional

Bradesco busca adotar as melhores práticas ao gerenciar uso de dispositivos móveis

Na categoria Segurança BYOD, o Bradesco conquistou o efinance com o case Gerenciamento de Dispositivos Móveis. O projeto, na verdade, está inserido nas diretrizes de inovação tecnológica e alinhado à estratégia de transformação da organização. Do ponto de vista corporativo, o upgrade dos dispositivos móveis e a conectividade propiciam um aumento dos níveis de colaboração entre os cerca de 113 mil funcionários do Bradesco. Deste modo, o projeto de Gerenciamento de Dispositivos Móveis procurou ir ao encontro das melhores práticas de mercado.

Como pano de fundo, existe um fato concreto: em relação ao último ano, o número de smartphones ativos no Brasil passou de 151,5 milhões para 168 milhões, um aumento de 9%. Os dados são da 27ª Pesquisa Anual de Administração e Uso de Tecnologia da Informação nas Empresas, realizada pela FGV-SP, em 2016. A projeção dos especializadas é que sejam 236 milhões de aparelhos em 2018.

O uso corporativo de dispositivos, portanto, é uma realidade atual. O Bradesco considerou os benefícios e riscos, combinando políticas claras e ferramentas adequadas para a gestão da segurança das informações. “Essas análises contemplaram prospecção de mercado, consulta ao quadrante mágico do Gartner e um comparativo entre soluções e suas funcionalidades”, diz Antonio Carlos Melhado, diretor departamental do Bradesco.

A implementação da solução trouxe maior segurança e confiabilidade, possibilitando maior controle, rastreabilidade e monitoramento dos logs de usuário. Com o emprego de smartphones, as agências e dependências podem acessar recursos corporativos e compartilhar documentos.

Ao mesmo tempo, a implantação do projeto Gerenciamento de Dispositivos Móveis passou a proteger a organização contra fuga de informações e acessos não autorizados, bem como disponibilizar, de forma fácil e segura, acessos às aplicações e informações corporativas, imprimindo agilidade ao atendimento e às tomadas de decisões no dia a dia dos funcionários.

Para proteger e gerenciar o acesso ao ambiente da organização de qualquer dispositivo móvel, seja ele corporativo ou particular (BYOD), o Bradesco se valeu de um conjunto de procedimentos e requisitos de segurança. Essas práticas envolveram “políticas de bloqueio do aparelho, senha forte, micro VPN para conexão mais segura, loja para publicação de aplicações corporativas (onde o usuário é obrigado a se logar utilizando usuário e senha), acesso ao e-mail utilizando aplicação proprietária, além de limpeza e bloqueio do aparelho de forma remota em casos de roubo, furto ou perda”, afirma Anderson Oliveira Gonçalves, superintendente executivo do banco.

Acesso a dados estratégicos

Do ponto de vista externo, o projeto eleva expressivamente a eficiência operacional. Os usuários terão a possibilidade de acessar de qualquer local – dentro e fora da organização – dados estratégicos ou mesmo administrativos. Para o Bradesco são essas informações que tornam mais dinâmicas as iniciativas de negócios. “Com a liberação do acesso ao e-mail corporativo, agilizamos processos, permitindo a abertura de contas no ambiente do cliente, além da tomada de decisões para os gerentes dos segmentos, que atendem clientes fora do escritório, e nas agências, por meio da mobilidade corporativa com acessos seguros”, confirma Antonio Carlos Melhado.

Entre diversas funcionalidades, vale ressaltar o ambiente criptografado, perfis de acesso segmentado por área de negócio, distribuição e publicação de aplicações corporativas, segurança da informação e políticas de segurança. Na TI, as etapas da implantação foram: teste unitário, teste integrado e teste em homologação.

O roll out começou no primeiro semestre de 2017 e o tempo de implantação previsto é de cinco meses. O projeto está sendo levado a cabo por dependência na hierarquia da organização, para refinamento, avaliação de viabilidade técnica, operacional e de segurança. Foram envolvidos os Departamentos de TI, DRH, Jurídico e Segurança.

Como resultados, podem ser citados os seguintes: aumento da eficiência operacional e da produtividade, redução de custo interno, mitigação de risco quanto ao acesso a recursos corporativos e impacto positivo na imagem da organização. “Com a adoção da prática do BYOD, os custos com comodato com as operadoras, manutenções, logísticas e estoques de equipamentos, entre outros, diminuem consideravelmente”, acrescenta o diretor departamental.

Distribuídas e publicadas as aplicações (apps) para os dispositivos móveis, o ganho operacional será significativo para o Bradesco, uma vez que a solução de Gerenciamento de Dispositivos Móveis tem como característica ser ágil, fácil de utilizar, segura e efetiva.

Receber o Prêmio efinance “foi gratificante, pois externa a importância do projeto, reconhecimento e a preocupação da organização em estar focada nas atualizações tecnológicas e tendências do mercado”, conclui Melhado.