Mainframe

Banco do Brasil


Clique na foto e veja a legenda

BB é o primeiro na América Latina a instalar máquinas de última geração da IBM

Projeto complexo garante aumento de processamento e redução de custos

Rose Crespo

Um projeto de alta complexidade para oferecer novas tecnologias e avanços em processamento, disponibilidade e segurança. É mais um case ganhador do Banco do Brasil na categoria mainframe, que envolveu o planejamento e a implementação de 12 mainframes IBM de nova geração em um prazo exíguo. O BB foi o primeiro na América Latina a renovar seu parque de processamento com esses equipamentos de ponta.

O parque de máquinas promete aumento de 17% na capacidade de processamento e redução de 14% nos custos mensais de software e de cerca de 30% na janela de processamento batch, possibilitando processar maior volume de dados dentro do mesmo intervalo. Ao substituir os mainframes em um curto espaço de espaço, o banco obteve uma economia superior a R$ 20 milhões nos custos de manutenção de hardware. No total, a instituição financeira investiu cerca de R$ 140 milhões.

Quando promoveu a instalação de apenas seis novos equipamentos em 2015, o projeto foi realizado em 90 dias. Já em 2016 a conclusão demorou 60 dias. “Paralelamente à iniciativa, tivemos dezenas de outras, algumas de igual importância e também premiadas. Mesmo assim os prazos foram atendidos e, o mais importante, sem causar indisponibilidade aos sistemas críticos do Banco do Brasil”, destacou Henrique Luiz de Carvalho Yule, gerente de Divisão da Gesit.

Com a renovação da infraestrutura, o banco explora os recursos dos mainframes z13 que conferem ganho de performance aos sistemas de missão crítica. “Evoluímos o modelo de processamento ao oferecer alta disponibilidade e provisionar recursos para novos serviços estratégicos. Todas essas ações prezam a qualidade na prestação dos serviços oferecidos ao cliente, além de atender aos marcos regulatórios”, explicou o diretor do BB.

A modernização do ambiente de processamento proporciona ainda ganhos intangíveis, como a melhoria da percepção da marca pelos clientes que utilizam os serviços. “Com a infraestrutura renovada, exploramos os recursos dos mainframes z13, agregando performance aos sistemas de missão crítica do BB”, acrescentou o gerente de Divisão.

A iniciativa englobou os ambientes de desenvolvimento, homologação e produção, além de outros sistemas processados na plataforma, como conta corrente, cartão de crédito, internet banking, crédito, seguros, SPB, compensação e mobile.

Os equipamentos IBM z13 foram distribuídos em dois sites, que, juntos, compõem a solução de alta disponibilidade e o balanceamento da carga de processamento. Em duas etapas distintas, a instalação foi realizada com a troca de seis máquinas em cada uma. Assim os serviços foram redistribuídos para que, em cada uma, a maior carga de processamento representasse o ambiente de produção. Com o balanceamento, foi possível reduzir os custos de processamento.

Embora a infraestrutura ofereça novas funcionalidades, parte delas só foi habilitada no momento da instalação e disponibilizadas depois por meio de atualizações dos microcódigos de hardware. A situação mais crítica foi observada na primeira etapa do projeto, na qual foi necessária a reinicialização física de cada equipamento assim que instalado.

O processo envolveu também a criação de uma solução para atender as requisições de impressão dos dados, já que não era possível conectar as impressoras com os equipamentos recém-instalados.