Menu

Investimentos em insurtechs chegam a US$ 11,2 bilhões entre 2016 e 2018

Investimentos em insurtechs chegam a US$ 11,2 bilhões entre 2016 e 2018

Aplicações em nuvem, Inteligência Artificial, IoT e Blockchain receberam parte dos recursos 

Entre 2016 e 2018, o ecossistema de insurtechs recebeu investimentos de US$ 11,2 bilhões, mais que o dobro do volume obto no período de 2010 a 2015.

A informação conta no estudo InsurTech Outlook 2019, publicado pela consultoria everis e pela NTT Data, que analisou o panorama tecnológico do mercado de seguros e sua evolução nos últimos anos.

O levantamento mostra que maioria dos investimentos das seguradoras foi canalizado para insurtechs mis maduras. Mas um amplo grupo de executivos demonstrou preferência pelas que estão em estágio inicial de operação.

As empresas latino-americanas, por exemplo, preferem investir nas insurtechs que estão em fases mais avançadas.

O principal investimento foi em aplicações em nuvem e em dispositivos móveis, seguido de Big Data e Backend, Inteligência Artificial, Internet das Coisas (IoT) e Blockchain.

Mas o estudo apontou uma evolução entre os períodos de 2010 a 2015 em comparação com 2016 a 2018, revelando que as insurtechs baseadas em Inteligência Artificial foram as com maior crescimento, acima de 665% entre os dois períodos.

Estes investimentos revelam a necessidade de processar e aprender com os dados para construir uma oferta personalizada, atrair e reter clientes e alcançar processos mais eficientes em todas as linhas de negócio.

As aplicações móveis tiveram também relevância e espera-se que o seu impacto aumente nos próximos anos devido a sua tendência para a personalização, agregação e plataformas comparativas.

Por outro lado, a área de e-commerce está mais focada em cibersegurança como a ferramenta tecnológica mais utilizada, em função do aumento da percepção de risco.

Uma das conclusões é que as seguradoras estão colaborando com a insurtechs no enfrentamento dos desafios tecnológicos e aproveitamento de novas oportunidades.

No entanto, a visão não chega a ser positiva, pois nove em cada dez seguradoras consideram a atividade da insurtech como um risco para o seu negócio atual.

Mas as insurtechs valorizam a chance de se aproximarem das seguradoras tradicionais, com acesso aos bancos de dados de seus clientes e solução das questões regulatórias, fatores-chave para a expansão de seus negócios.

De acordo com a pesquisa, as principais empresas tecnológicas terão grande relevância no mercado de seguros nos próximos anos. O Google e a Amazon, por exemplo, terão o maior impacto em tecnologia e distribuição, respectivamente.

O estudo mostrou que novas tecnologias estão redefinindo o ambiente de negócios e criando novos desafios para os CEOs que procuram ter sucesso em um mundo de disrupção híperacelerada.

O maior desafio é a transformação global dos negócios, uma mudança interna, na qual os líderes exponenciais buscam a disrupção para gerar crescimento e aumentar a competitividade.

Para a realização dessa terceira edição do InsurTech Outlook 2019, foram consultadas 1,9 mil insurtechs, além de executivos de 43 seguradoras presentes em mais de dez países da Europa, Ásia Pacífico e América Latina.

 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes