Logo
Imprimir esta página

Lucro líquido da Cielo é o maior da história, com R$ 4,1 bilhões em 2017

Lucro líquido da Cielo é o maior da história, com R$ 4,1 bilhões em 2017

Volume financeiro de transações, tirando o produto Agro, totalizou R$ 613,8 bilhões, alta de 8,2% sobre 2016

A Cielo, fornecedora de tecnologia, serviços e soluções para o varejo, fechou o ano de 2017 com o maior lucro líquido da história da companhia: R$ 4,1 bilhões pelo critério IFRS. No quarto trimestre do ano, somou R$ 1,04 bilhão, um aumento de 3,1% em relação ao mesmo período do ano anterior, e de 2,5% quando comparado ao terceiro trimestre.

Já o lucro líquido ajustado, que desconsidera o efeito da amortização do ativo intangível da Cateno, totalizou R$ 1,1 bilhão no quarto trimestre de 2017, superior em 2,9% quando comparado ao mesmo período de 2016; e 2,4% em relação ao terceiro trimestre de 2017. Neste caso, o lucro líquido somou R$ 4,3 bilhões no ano, um acréscimo de 1,2% na comparação com o ano anterior.

"Passado o período mais agudo da história de nossa economia, iniciamos 2018 com o sentimento e a sensação de que 'o pior ficou para trás'. Pelo quinto mês consecutivo, em dezembro, o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) registrou crescimento real, indicando uma clara tendência de recuperação do mercado varejista brasileiro. Quando olhamos para o PCE, que hoje está em 29% (3T17), indicador que demonstra o nível de penetração do pagamento com plástico, vemos muito potencial", afirma Eduardo Gouveia, presidente da Cielo.

O volume financeiro de transações, sem considerar o produto Agro, totalizou R$ 613,8 bilhões em 2017, um aumento de 8,2%. O último trimestre representou R$ 169,2 bilhões desse total – aumento de 8,7% em relação aos mesmos meses de 2016; e de 9,2% em relação ao trimestre anterior.

Foram R$ 95,3 bilhões em transações de crédito, apresentando uma elevação de 9,0% em relação ao quarto trimestre de 2016, e aumento de 10,2% em relação ao trimestre anterior (3T17). No débito, o volume foi de R$ 76,4 bilhões no quarto trimestre de 2017, um crescimento de 6,3% em relação aos meses equivalentes de 2016, e também 6,3% em comparação ao trimestre anterior.

Esta expansão no volume de transações de crédito e débito contribui para a receita operacional líquida, que totalizou R$ 3 bilhões no quarto trimestre, uma alta de 3,6% em relação ao terceiro tri do mesmo ano.

Os gastos totais da Cielo, que representam o custo com os serviços prestados somado às despesas operacionais, totalizou R$ 7,2 bilhões em 2017, uma redução de 6,1%, em relação ao ano anterior, reflexo de um forte controle de gastos e melhoria de eficiência da companhia.

O EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) fechou o último trimestre de 2017 em R$ 1,3 bilhão, inferior em 1,3% comparado ao mesmo período de 2016. Por outro lado, o número representa um aumento de 6,2% em relação ao trimestre anterior, com margem de 45,4% - crescimento de 0,6 ponto percentual em comparação com o quarto trimestre de 2016 e de 1,1 ponto percentual no cotejo com o terceiro trimestre de 2017.

As máquinas sem fio – terminais que utilizam Wi-Fi e/ou GPRS – encerraram o quarto trimestre de 2017 representando 74,4% da base instalada, uma expansão de 3,4 pontos percentuais em comparação ao mesmo período de 2016; e de 1,3 p.p. em relação ao trimestre anterior. Além disso, a Cielo LIO, primeiro Smart Terminal do mercado brasileiro e que conecta todo ecossistema da empresa, já soma 36 mil terminais instalados.

Joomla SEO by MijoSEF
© Executivos Financeiros Todos os direitos reservados.