Logo
Imprimir esta página

Era digital exige líderes disruptivos, corajosos e ambiciosos

Era digital exige líderes disruptivos, corajosos e ambiciosos

Revolução 4.0 desafia modelos e demanda um novo mindset global entre os executivos de negócios

A era 4.0 vem rompendo fronteiras, desafiando modelos e criando um novo mindset global entre os executivos e líderes de negócio. Empresas exponenciais e disruptivas surgem a todo momento e exigem um novo perfil de líderes. A transformação, já em andamento, vem confrontando o que conhecemos sobre gerenciar negócios e pessoas. Nesse sentido, o World Economic Forum on Latin America - evento que reuniu, entre os dias 13 e 15 de março, em São Paulo, autoridades e especialistas para discutir questões mundiais - destacou o tema liderança exponencial e os efeitos que ela estabelece na era digital.

De acordo com a pesquisadora e CEO da W Futurismo, Jaqueline Weigel, mindset disruptivo, skillnet e um network futurista global definem o influenciador dos negócios na próxima década. "As habilidades deste novo líder são diretamente ligadas a propósito, consciência e a uma essência inconformada; eles são capazes de implementar ideias revolucionárias, engajar pessoas e causar impactos sociais extraordinários, desafiando de forma agressiva o status do antigo modelo capitalista", define.

Empresas como Facebook, Uber, Spotify, Grupo Alibaba e Airbnb, são encabeçadas por líderes com mindset especial, disruptivo e exponencial, como Elon Musk, por exemplo, que não se resume a ser um milionário excêntrico, mas que quebra regras tradicionais e transforma a forma habitual de pensar e fazer negócios em verdadeiras jornadas com ambições sociais.

Os executivos que desejam permanecer no mercado de trabalho precisarão se ajustar aos novos modelos propostos pela Revolução 4.0. Segundo a pesquisadora, enquanto o executivo linear pressiona por resultados, é motivado pelo poder, pelo comando-controle e decide olhando para o passado, o novo líder, entretanto, trabalha por paixão, cria engajamento, colaboração, constrói legado e faz com que os negócios monetizem mais e em menos tempo, de forma inteligente e funcional.

"Os executivos e as áreas de desenvolvimento corporativo não estão olhando com a devida atenção para a importância de aprender sobre estes modelos. A falta de profissionais com este novo mindset pode fazer com que o país fique ainda mais atrasado no assunto inovação perante o mundo. É necessário um olhar mais amplo e estratégico sobre os temas 4.0. A cultura, a ausência ou a distância dos líderes digitais do restante das pessoas da empresa, e a ausência clara de estratégia para os programas de inovação aparecem como as grandes lacunas no momento atual de discussões sobre o futuro dos negócios", afirma Weigel.

De acordo com a Singularity University, os quatro pilares pessoais básicos do líder disruptivo e exponencial são: futurista, tecnologista, inovador e movido por impacto. Cada pilar tem características e habilidades que formam uma rede de competências e um estado de ser único deste que é o grande influenciador do mundo atual. No Brasil, a W Futurismo aplica o estudo da Singularity, preparando líderes neste novo formato.

Líderes disruptivos trabalham por grandes ambições e propósitos, e tem como consequência a monetização, unindo impacto global a resultado de negócios. Já o modelo de liderança tradicional não tem condições de competir com este novo formato. É engessado, pautado pelo medo e pela escassez de recursos, o que gera baixa criatividade e altos índices de desmotivação por partes dos colaboradores.

"Essa nova figura de liderança conduz seus projetos com staff sob demanda que cresce com o negócio. Trabalha de forma horizontal, decide de forma ágil com base em dados, usa Foresight, constrói a cultura de inovação, influenciando fortemente os talentos da Transformação Digital", reitera Weigel.

Joomla SEO by MijoSEF
© Executivos Financeiros Todos os direitos reservados.