Menu

Arquitetura Object Based Storage atravessa um boom de mercado

Arquitetura Object Based Storage atravessa um boom de mercado

Entre as características da OBS estão o alto nível de disponibilidade e o fato de incluir metadados

A tecnologia é uma força disruptiva que traz novos modelos de negócios, abre novas fontes de receitas e define uma indústria inteira. Dados em alta qualidade e em valor referencial no negócio modelam a magnitude da disrupção. Pela perspectiva da IDC, o aumento da transformação digital se deve à chamada plataforma 3D. Essa plataforma inclui dispositivos móveis e Analytics, Big Data, modelos de nuvem e mídias sociais e experiência do usuário. A tecnologia é acelerada pelas técnicas de Machine Learning (Aprendizado de Máquina), Realidade Virtual,  Blockchain, Segurança e Internet das Coisas (IoT). 

 Projetos de transformação tecnológica têm dados, e o aumento deles é distribuído de forma diversa e dinâmica. Resumindo: diversificação, crescimento e dinâmica são os atributos que vão determinar o tipo de storage mais apropriado. Pesquisa da IDC mostra que 71,6% dos CIOs e líderes de tecnologia apostam na transformação digital e crescimento. "Esse fator provoca esse boom em Object Based Storage (OBS). A ideia é reduzir e mitigar custos e acelerar a transformação", diz Laura DuBois, GVP da divisão de Storage de Empresas, Servidores e Infraestrutura de Software da IDC. 

 Uma das características da arquitetura OBS é ser global namespace (característica que simplifica a administração do storage em desenvolvimentos com numerosos arquivos de sistemas físicos) e ter um alto nível de disponibilidade. A sua estrutura é não hierárquica (flat structure). Pode incluir metadados e possui proteção de dados e segurança. 

 Custo

 Sob a perspectiva econômica, a OBS tem custo efetivo menor do que a arquitetura tradicional, é escalável (scale-out) e possibilita que se pague pelo quanto é usado. Diferentes modelos são oferecidos, dentro de uma dinâmica de flexibilidade de desenvolvimento. No modelo de entrega OBS, o usuário final ganha escalabilidade, trabalha em código aberto e dispõe de fácil manutenção.  "Em termos de organização, e se baseada em OBS, a empresa pode começar pequena, crescer conforme a necessidade e ter escala sem precedentes", garante Laura DuBois. 

 Aplicações nativas na nuvem como de dropbox, imagens médicas, vídeos, músicas de streaming, documentos científicos e de engenharia já fazem parte da tecnologia OBS. Essa tecnologia também é usada em analytics em sites como o Mongabay.  Também podemos ver a OBS presente em IoT (Internet das Coisas), tecnologia que suporta milhões de usuários de dispositivos móveis.  

 Metadados 

 Quando pensamos em metadados podemos observar, o jeito que consumimos música. Antes disponível em LPs, cassetes e CDs, hoje a música está acessível por álbum, estilo musical e em diversos dispositivos. "A tecnologia OBS traz o mesmo tipo de transformação que trouxe o iTunes e as coleções musicais de dados para as empresas. Os arquivos podem ser transportados a qualquer lugar e compartilhados, podem ser salvos localmente e na nuvem", afirma Jeff Lundberg, gerente sênior de Marketing de Produtos da Hitachi Data Systems (HDS).

 Dentro de seu portfólio, a Hitachi dispõe de nuvem híbrida e privada como storage em nuvem, sincronização e compartilhamento de arquivos, gateway para armazenamento na nuvem e análise e qualidade de dados. Veja a seguir alguns casos onde a arquitetura OBS foi empregada com sucesso devido às características oferecidas. 

 Companhia de seguros 

 Nos Estados Unidos, uma companhia de seguros desejava ter um espaço único para guardar todos os dados, com mais automação. Também procurava um serviço privado com menos backup e que pudesse ser operado pelos próprios desenvolvedores e usuários. A solução foi desenvolver um storage in-house semelhante a Amazon, com arquivamento de e-mail. O desenvolvimento foi customizado e possibilitou, com um só investimento, a mesma flexibilidade e "pontos cruzados" que uma cloud pública, com visibilidade e controle do que precisavam, trazendo a administração legal e privada.  O arquivamento ficou concentrado em uma biblioteca única de backup e em "persistent DR" (storage não volátil).  

 Serviços financeiros

 Uma companhia de serviços financeiros europeia com grande quantidade de dados procurava governança da comunicação. O projeto buscou a organização para "broker communication" e "trade information", além do custo regulatório da organização com compliance. Era preciso reunir informação de diversas fontes como call centers, e-mails, mensagens instantâneas e outras aplicações desenvolvidas por eles. Os dados transacionados de cada silo passaram a ser administrados pela perspectiva da descoberta e de uma política administrativa. Foi criada uma biblioteca única de informação, que automaticamente preserva o dado no longo prazo. A arquitetura foi feita para ser confiável. Os dados estão sempre disponíveis mais rapidamente e facilmente, com segurança e compliance. 

 Governo dos EUA

 A Agência Federal dos Estados Unidos quis colocar arquivos de storage em um só lugar e habilitá-los a permanecer salvos, bem protegidos e controlados. Neste cenário, a agência tinha 4 PB em desenvolvimento NAS, que procurava consolidar. Dois silos de storage foram consolidados. Eventualmente, a agência deseja administrar dados na nuvem. O sistema que estava sendo utilizado havia se tornando caro e limitado. Eles estavam aptos a subir dados de qualquer ponto da nuvem. Eles realmente queriam algo flexível e que pudessem deixar as coisas onde precisassem. O modelo precisava ser altamente escalável a fim de mover dados para a outra terça parte ou para dispositivos de storage e por que na agência os dados não são concentrados em numerosas localizações de arquivos. O ingest da nuvem  ficou apto a coletar dados de sensores, câmeras, transmitir dados por stream para uma biblioteca e servir como plataforma de conteúdo. Protegido e analisável, o dado pode ser acessado, compartilhado e enriquecido com novas informações. 

 

 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes