Internet - Executivos Financeiros - Executivos Financeiros http://www.executivosfinanceiros.com.br/ 2018-11-13T22:40:42+00:00 Joomla! - Open Source Content Management Konker apresenta plataforma aberta de IoT em nuvem 2017-10-05T00:00:00+00:00 2017-10-05T00:00:00+00:00 http://www.executivosfinanceiros.com.br/internet/6045-konker-apresenta-plataforma-aberta-de-iot-em-nuvem Redação <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/e3fec9355f545ee110874c32ff71b10d_L.jpg" alt="Konker apresenta plataforma aberta de IoT em nuvem" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p>Empresa leva para a Futurecom solução modular para todos os tipos de aplicação nas verticais indústria, varejo, logística, insurance, hospitalar, urbana ou de governo</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">A Konker, especializada em projetar tecnologias abertas de Internet das Coisas (IoT), está expondo na Futurecom 2017 a sua plataforma que permite criar, de forma rápida e modular, soluções de IoT para todos os tipos de aplicação industrial, varejo, logística, insurance, hospitalar, urbana ou de governo.</p> <p style="text-align: justify;">Além de apresentar sua tecnologia, a Konker leva para a Futurecom alguns exemplos pioneiros de aplicação comercial da IoT que prometem ganhar escala no Brasil. Entre eles, está o sistema inteligente para freezers comerciais (ou “shelves refrigeradas”), uma solução desenvolvida em parceria com a operadora Oi e que permitirá às redes de varejo o gerenciamento remoto desses equipamentos em um número ilimitado de pontos de vendas.</p> <p style="text-align: justify;">Inclui-se aí o controle de abastecimento de produtos perecíveis nas shelves, o desempenho de vendas de cada produto e a previsão de demandas futuras com base na análise preditiva.</p> <p style="text-align: justify;">A Konker também desenvolveu outras soluções como o SmarttAC, um produto IoT, pronta para instalação, que conecta os dispositivos de ar condicionado de um escritório a uma aplicação de celular para garantir condições ideais de temperatura, em diferentes ambientes e em diferentes horários, com o menor dispêndio energético e economias de até 30%.     </p> <p style="text-align: justify;"><strong>Componentes pré-moldados para IoT</strong></p> <p style="text-align: justify;">Através do ambiente em nuvem Konker Platform, a Konker oferece uma superestrutura inteligente, no modelo de entrega PaaS (Plataforma como Serviço), na qual o integrador ou desenvolvedor de soluções IoT encontra ferramentas intuitivas e componentes de pré-moldados de software para a montagem de protótipos de aplicação com o mais rápido “time to market”.</p> <p style="text-align: justify;">Tais componentes, baseados em software aberto, são criados, compartilhados e integrados por comunidades de desenvolvimento de todo o mundo e de todos os ramos de negócios.</p> <p style="text-align: justify;">Após projetar suas aplicações com componentes e ferramentas em nuvem, o usuário do ambiente Konker pode testá-las e executá-las sem maiores investimentos em infraestrutura de software ou de processamento, contando apenas com a alocação de capacidade computacional elástica.  </p> <p style="text-align: justify;">“Com isto, a plataforma Konker torna extremamente simples a conexão IoT, ajudando a disseminar uma tendência cuja força, medida pelo Gartner, é dada pelo salto estatístico de 8,7 bilhões de ‘coisas’ conectadas em 2017 para 20,4 bilhões em 2020”, comenta Rafael Ferraz, Head of Product Marketing da Konker.</p> <p style="text-align: justify;">Juntamente com as facilidades de prototipagem e execução, a plataforma Konker traz um grande número de recursos de inteligência analítica, aprendizado de máquina e ferramentas de gestão de dados de negócios para funções de inventário, logística, marketing, planejamento e monitoramento de negócios.</p> <p style="text-align: justify;">De acordo com Alexandre Junqueira, CEO da Konker, a combinação do modelo PaaS com adoção da filosofia de software agnóstico vem atraindo parceiros tecnológicos de todas as áreas envolvidas no ecossistema IoT, como provedores de chips para a conexões de coisas, integradores de software e operadoras de telecom e infraestrutura em nuvem.</p> <p style="text-align: justify;">“Nossa proposta é a de estar no centro de iniciativas de IoT interessadas na conexão e na gestão inteligente de dados envolvendo a adição em nuvem de todas as categorias de máquinas, pessoas, veículos, instrumentos, sinalizadores, sistemas de vigilância, equipamentos de varejo ou de utilidades domésticas”, assinala o executivo. </p> <p style="text-align: justify;">Segundo ele, a adoção da Internet das Coisas vem superando as expectativas e já sai do universo da especulação para uma rápida expansão real no mundo dos negócios. “Nesses tempos de crise e contenção de budget, é grande o número de empresas que busca na nossa plataforma a soluções de melhor ‘time to profit’ e custo otimizado na criação de aplicações para atividades como a manutenção remota de máquinas, ganho de eficiência energética, redução de desvios de produção ou no varejo e otimização logística”, completa Junqueira.</p> <p style="text-align: justify;">A Konker assiste também a um crescente movimento de adoção da IoT em nichos como cidades digitais, gestão de frotas conectadas, Internet Industrial das Coisas e controle de processos de produção em agribusiness.  </p> <p style="text-align: justify;"><strong>Serviço</strong></p> <p style="text-align: justify;">Durante a Futurecom, a plataforma Konker e algumas de suas soluções de IoT podem ser vistas no estande da Oi, e no Espaço Inovação “IoT Experience Labs”, em que a Konker se apresenta junto com as parceiras, FIBO, Advantech, Intel e Sierra Labs.  </p> <p style="text-align: justify;">A Konker participa do Painel IoT, debatendo a realidade e a evolução da Internet das Coisas com executivos da Telit, WND/SigFox e Forescout.</p></div> <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/e3fec9355f545ee110874c32ff71b10d_L.jpg" alt="Konker apresenta plataforma aberta de IoT em nuvem" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p>Empresa leva para a Futurecom solução modular para todos os tipos de aplicação nas verticais indústria, varejo, logística, insurance, hospitalar, urbana ou de governo</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">A Konker, especializada em projetar tecnologias abertas de Internet das Coisas (IoT), está expondo na Futurecom 2017 a sua plataforma que permite criar, de forma rápida e modular, soluções de IoT para todos os tipos de aplicação industrial, varejo, logística, insurance, hospitalar, urbana ou de governo.</p> <p style="text-align: justify;">Além de apresentar sua tecnologia, a Konker leva para a Futurecom alguns exemplos pioneiros de aplicação comercial da IoT que prometem ganhar escala no Brasil. Entre eles, está o sistema inteligente para freezers comerciais (ou “shelves refrigeradas”), uma solução desenvolvida em parceria com a operadora Oi e que permitirá às redes de varejo o gerenciamento remoto desses equipamentos em um número ilimitado de pontos de vendas.</p> <p style="text-align: justify;">Inclui-se aí o controle de abastecimento de produtos perecíveis nas shelves, o desempenho de vendas de cada produto e a previsão de demandas futuras com base na análise preditiva.</p> <p style="text-align: justify;">A Konker também desenvolveu outras soluções como o SmarttAC, um produto IoT, pronta para instalação, que conecta os dispositivos de ar condicionado de um escritório a uma aplicação de celular para garantir condições ideais de temperatura, em diferentes ambientes e em diferentes horários, com o menor dispêndio energético e economias de até 30%.     </p> <p style="text-align: justify;"><strong>Componentes pré-moldados para IoT</strong></p> <p style="text-align: justify;">Através do ambiente em nuvem Konker Platform, a Konker oferece uma superestrutura inteligente, no modelo de entrega PaaS (Plataforma como Serviço), na qual o integrador ou desenvolvedor de soluções IoT encontra ferramentas intuitivas e componentes de pré-moldados de software para a montagem de protótipos de aplicação com o mais rápido “time to market”.</p> <p style="text-align: justify;">Tais componentes, baseados em software aberto, são criados, compartilhados e integrados por comunidades de desenvolvimento de todo o mundo e de todos os ramos de negócios.</p> <p style="text-align: justify;">Após projetar suas aplicações com componentes e ferramentas em nuvem, o usuário do ambiente Konker pode testá-las e executá-las sem maiores investimentos em infraestrutura de software ou de processamento, contando apenas com a alocação de capacidade computacional elástica.  </p> <p style="text-align: justify;">“Com isto, a plataforma Konker torna extremamente simples a conexão IoT, ajudando a disseminar uma tendência cuja força, medida pelo Gartner, é dada pelo salto estatístico de 8,7 bilhões de ‘coisas’ conectadas em 2017 para 20,4 bilhões em 2020”, comenta Rafael Ferraz, Head of Product Marketing da Konker.</p> <p style="text-align: justify;">Juntamente com as facilidades de prototipagem e execução, a plataforma Konker traz um grande número de recursos de inteligência analítica, aprendizado de máquina e ferramentas de gestão de dados de negócios para funções de inventário, logística, marketing, planejamento e monitoramento de negócios.</p> <p style="text-align: justify;">De acordo com Alexandre Junqueira, CEO da Konker, a combinação do modelo PaaS com adoção da filosofia de software agnóstico vem atraindo parceiros tecnológicos de todas as áreas envolvidas no ecossistema IoT, como provedores de chips para a conexões de coisas, integradores de software e operadoras de telecom e infraestrutura em nuvem.</p> <p style="text-align: justify;">“Nossa proposta é a de estar no centro de iniciativas de IoT interessadas na conexão e na gestão inteligente de dados envolvendo a adição em nuvem de todas as categorias de máquinas, pessoas, veículos, instrumentos, sinalizadores, sistemas de vigilância, equipamentos de varejo ou de utilidades domésticas”, assinala o executivo. </p> <p style="text-align: justify;">Segundo ele, a adoção da Internet das Coisas vem superando as expectativas e já sai do universo da especulação para uma rápida expansão real no mundo dos negócios. “Nesses tempos de crise e contenção de budget, é grande o número de empresas que busca na nossa plataforma a soluções de melhor ‘time to profit’ e custo otimizado na criação de aplicações para atividades como a manutenção remota de máquinas, ganho de eficiência energética, redução de desvios de produção ou no varejo e otimização logística”, completa Junqueira.</p> <p style="text-align: justify;">A Konker assiste também a um crescente movimento de adoção da IoT em nichos como cidades digitais, gestão de frotas conectadas, Internet Industrial das Coisas e controle de processos de produção em agribusiness.  </p> <p style="text-align: justify;"><strong>Serviço</strong></p> <p style="text-align: justify;">Durante a Futurecom, a plataforma Konker e algumas de suas soluções de IoT podem ser vistas no estande da Oi, e no Espaço Inovação “IoT Experience Labs”, em que a Konker se apresenta junto com as parceiras, FIBO, Advantech, Intel e Sierra Labs.  </p> <p style="text-align: justify;">A Konker participa do Painel IoT, debatendo a realidade e a evolução da Internet das Coisas com executivos da Telit, WND/SigFox e Forescout.</p></div> Número de domicílios com acesso em banda larga fixa fica estável 2017-09-06T00:00:00+00:00 2017-09-06T00:00:00+00:00 http://www.executivosfinanceiros.com.br/internet/5951-numero-de-domicilios-com-acesso-em-banda-larga-fixa-fica-estavel Redação <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/040929985887bfa1c73d5df0675434d9_L.jpg" alt="Número de domicílios com acesso em banda larga fixa fica estável" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p>Estudo TIC Domicílios 2016 aponta que conexões móveis têm se destacado nas classes D/E</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">O número de domicílios conectados por meio de banda fixa mantém-se estável no Brasil. É o que aponta a pesquisa <a href="http://www.imcgrupo.com/link.php?code=bDpodHRwJTNBJTJGJTJGY2V0aWMuYnIlMkZwZXNxdWlzYSUyRmRvbWljaWxpb3MlMkZpbmRpY2Fkb3JlczozMTg4MDI4NTgwOmlydWVoYXJhLnRsbkB0ZXJyYS5jb20uYnI6NjlhMjZjZDZkZGE5YmM5OGI5NGM0NWYxMGZjMzg3ZmRlZg==">TIC Domicílios 2016</a>, divulgada na terça-feira, dia 05, pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br). A banda larga fixa é o tipo de conexão utilizada por 23 milhões dos domicílios, mesmo patamar de 2015.</p> <p style="text-align: justify;">O acesso à Internet móvel, por sua vez, tem se destacado. A banda larga móvel é a principal forma de conexão para um quarto dos domicílios brasileiros com acesso à Internet, estando presente em 9,3 milhões de domicílios. Entre as residências conectadas, as conexões móveis são encontradas em maiores proporções nas classes D/E, na região Norte e nas áreas rurais.</p> <p style="text-align: justify;">A pesquisa também revela que a proporção de domicílios com acesso à Internet mas sem computador dobrou em dois anos, passando de 7%, em 2014, para 14% em 2016 – o equivalente a 4,4 milhões de domicílios. "Os resultados indicam maior presença dos acessos móveis nos domicílios brasileiros, que ocorrem principalmente por meio do uso de telefones celulares. O crescimento da banda larga móvel, contudo, ocorre com maior intensidade entre os domicílios das classes sociais menos favorecidas e em regiões que tradicionalmente apresentam conectividade mais restrita, como é o caso da região Norte e das áreas rurais", enfatiza Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br.</p> <p style="text-align: justify;">No Brasil, 54% dos domicílios estão conectados à Internet, o que representa 36,7 milhões de residências – um crescimento de três pontos percentuais em relação a 2015. Os padrões de desigualdade revelados pela série histórica da pesquisa persistem: apenas 23% dos domicílios das classes D/E estão conectados à Internet, enquanto em áreas rurais esta proporção é de 26%. O acesso à Internet está mais presente em domicílios de áreas urbanas (59%), e nas classes A (98%) e B (91%).</p> <p style="text-align: justify;">A pesquisa revela ainda que em 18% das residências conectadas a Internet também é utilizada pelo domicílio vizinho. Essa prática de compartilhamento da conexão à Internet é mais comum em domicílios localizados em áreas rurais (30%) e na região Nordeste (28%).</p> <p style="text-align: justify;">A TIC Domicílios 2016 também traz um indicador sobre o principal motivo para a falta de Internet nos domicílios no Brasil: 26% dos domicílios desconectados afirmam que a conexão é cara, enquanto 18% mencionam falta de interesse.</p> <p style="text-align: justify;"><strong>Dispositivos de acesso e tipo de conexão</strong></p> <p style="text-align: justify;"><strong>A</strong> pesquisa TIC Domicílios 2016 aponta que o uso da Internet por indivíduos de 10 anos ou mais passou de 58%, em 2015, para 61%, em 2016. No total, o Brasil conta com 107,9 milhões usuários de Internet.</p> <p style="text-align: justify;">A pesquisa confirma a tendência, já revelada na edição de 2015, de avanço do celular como principal dispositivo de acesso à rede. Em 2016, 93% dos usuários de Internet utilizaram o celular para navegar na rede, um aumento de quatro pontos percentuais em relação ao ano anterior. Em contrapartida, foi registrada queda no percentual de usuários que acessam a rede por meio de computador: 80% dos usuários em 2014 e 57% dos usuários de Internet em 2016.</p> <p style="text-align: justify;">O principal local de acesso à Internet continua sendo o próprio domicílio (92%) e a proporção de usuários que acessam a Internet na casa de outra pessoa (amigo, vizinho ou familiar) segue relevante (60%).</p> <p style="text-align: justify;">Entre os usuários de Internet pelo telefone celular, o Wi-Fi se mantém como o tipo de conexão mais mencionado: 86% dos usuários afirmam utilizar o Wi-Fi, enquanto 70% utilizam a rede 3G ou 4G. Além disso, um em cada quatro usuários afirma ter se conectado exclusivamente por meio de Wi-Fi (25%), hábito que é mais comum entre os de 10 a 15 anos (42%). Outros 11% acessam apenas por redes 3G ou 4G, proporção que é maior entre os de classes D/E (18%).</p> <p style="text-align: justify;"><strong>Atividades realizadas na rede</strong></p> <p style="text-align: justify;">Já no que diz respeito às atividades <em>on-line</em>, as mais mencionadas continuam sendo o uso da Internet para envio de mensagens instantâneas (89%) e uso de redes sociais (78%) – proporções que se mantêm estáveis em relação à edição anterior da pesquisa. Em 2016, observou-se que 17% dos usuários usam a Internet para divulgar ou vender produtos ou serviços, enquanto essa proporção era de apenas 7% em 2012. A pesquisa TIC Domicílios 2016 também mostra que há diferenças quanto ao consumo de bens culturais <em>on-line</em> entre os residentes em áreas urbanas e rurais. Enquanto 70% dos usuários de Internet de áreas urbanas afirmam assistir a vídeos, programas, filmes ou séries <em>on-line</em>, essa proporção é de 56% nas áreas rurais. Ouvir música <em>on-line</em> é uma atividade realizada por 64% dos usuários de áreas urbanas e 53% de áreas rurais.</p> <p style="text-align: justify;">"O indicador revela a existência de desigualdades também quanto ao tipo de atividade realizada pelos usuários a depender de condições de infraestrutura, sobretudo, quando se trata de aplicações que requerem velocidades de banda mais alta, como é o caso de <em>streaming</em> de vídeo. Esse é mais um ponto importante para garantir uma plena inclusão digital", ressalta Barbosa.</p> <p style="text-align: justify;">Em sua 12ª edição, o estudo realizou entrevistas em mais de 23 mil domicílios em todo o território nacional, entre novembro de 2016 e junho de 2017, com o objetivo de medir o uso das tecnologias da informação e da comunicação nos domicílios, o acesso individual a computadores e à Internet, atividades desenvolvidas na rede, entre outros indicadores.</p> <p style="text-align: justify;">Para acessar a TIC Domicílios 2016 na íntegra, assim como rever a série histórica, visite <a href="http://www.imcgrupo.com/link.php?code=bDpodHRwJTNBJTJGJTJGY2V0aWMuYnIlMkY6MzE4ODAyODU4MDppcnVlaGFyYS50bG5AdGVycmEuY29tLmJyOjdhNDE1YzUxNGQ5ODdkMTgzOTg3NWMyMWEwYzRjY2M2MGE=">http://cetic.br/</a>. Compare a evolução dos indicadores a partir da visualização de dados disponível em: <a href="http://www.imcgrupo.com/link.php?code=bDpodHRwJTNBJTJGJTJGZGF0YS5jZXRpYy5iciUyRmNldGljJTJGZXhwbG9yZSUzRmlkUGVzcXVpc2ElM0RUSUNfRE9NOjMxODgwMjg1ODA6aXJ1ZWhhcmEudGxuQHRlcnJhLmNvbS5icjo3YjBkNzI2NjVmYWM0YWUyYWUxZTIyYTI4MmE5ZjY4ODM3">http://data.cetic.br/cetic/explore?idPesquisa=TIC_DOM</a>. <br /> </p></div> <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/040929985887bfa1c73d5df0675434d9_L.jpg" alt="Número de domicílios com acesso em banda larga fixa fica estável" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p>Estudo TIC Domicílios 2016 aponta que conexões móveis têm se destacado nas classes D/E</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">O número de domicílios conectados por meio de banda fixa mantém-se estável no Brasil. É o que aponta a pesquisa <a href="http://www.imcgrupo.com/link.php?code=bDpodHRwJTNBJTJGJTJGY2V0aWMuYnIlMkZwZXNxdWlzYSUyRmRvbWljaWxpb3MlMkZpbmRpY2Fkb3JlczozMTg4MDI4NTgwOmlydWVoYXJhLnRsbkB0ZXJyYS5jb20uYnI6NjlhMjZjZDZkZGE5YmM5OGI5NGM0NWYxMGZjMzg3ZmRlZg==">TIC Domicílios 2016</a>, divulgada na terça-feira, dia 05, pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br). A banda larga fixa é o tipo de conexão utilizada por 23 milhões dos domicílios, mesmo patamar de 2015.</p> <p style="text-align: justify;">O acesso à Internet móvel, por sua vez, tem se destacado. A banda larga móvel é a principal forma de conexão para um quarto dos domicílios brasileiros com acesso à Internet, estando presente em 9,3 milhões de domicílios. Entre as residências conectadas, as conexões móveis são encontradas em maiores proporções nas classes D/E, na região Norte e nas áreas rurais.</p> <p style="text-align: justify;">A pesquisa também revela que a proporção de domicílios com acesso à Internet mas sem computador dobrou em dois anos, passando de 7%, em 2014, para 14% em 2016 – o equivalente a 4,4 milhões de domicílios. "Os resultados indicam maior presença dos acessos móveis nos domicílios brasileiros, que ocorrem principalmente por meio do uso de telefones celulares. O crescimento da banda larga móvel, contudo, ocorre com maior intensidade entre os domicílios das classes sociais menos favorecidas e em regiões que tradicionalmente apresentam conectividade mais restrita, como é o caso da região Norte e das áreas rurais", enfatiza Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br.</p> <p style="text-align: justify;">No Brasil, 54% dos domicílios estão conectados à Internet, o que representa 36,7 milhões de residências – um crescimento de três pontos percentuais em relação a 2015. Os padrões de desigualdade revelados pela série histórica da pesquisa persistem: apenas 23% dos domicílios das classes D/E estão conectados à Internet, enquanto em áreas rurais esta proporção é de 26%. O acesso à Internet está mais presente em domicílios de áreas urbanas (59%), e nas classes A (98%) e B (91%).</p> <p style="text-align: justify;">A pesquisa revela ainda que em 18% das residências conectadas a Internet também é utilizada pelo domicílio vizinho. Essa prática de compartilhamento da conexão à Internet é mais comum em domicílios localizados em áreas rurais (30%) e na região Nordeste (28%).</p> <p style="text-align: justify;">A TIC Domicílios 2016 também traz um indicador sobre o principal motivo para a falta de Internet nos domicílios no Brasil: 26% dos domicílios desconectados afirmam que a conexão é cara, enquanto 18% mencionam falta de interesse.</p> <p style="text-align: justify;"><strong>Dispositivos de acesso e tipo de conexão</strong></p> <p style="text-align: justify;"><strong>A</strong> pesquisa TIC Domicílios 2016 aponta que o uso da Internet por indivíduos de 10 anos ou mais passou de 58%, em 2015, para 61%, em 2016. No total, o Brasil conta com 107,9 milhões usuários de Internet.</p> <p style="text-align: justify;">A pesquisa confirma a tendência, já revelada na edição de 2015, de avanço do celular como principal dispositivo de acesso à rede. Em 2016, 93% dos usuários de Internet utilizaram o celular para navegar na rede, um aumento de quatro pontos percentuais em relação ao ano anterior. Em contrapartida, foi registrada queda no percentual de usuários que acessam a rede por meio de computador: 80% dos usuários em 2014 e 57% dos usuários de Internet em 2016.</p> <p style="text-align: justify;">O principal local de acesso à Internet continua sendo o próprio domicílio (92%) e a proporção de usuários que acessam a Internet na casa de outra pessoa (amigo, vizinho ou familiar) segue relevante (60%).</p> <p style="text-align: justify;">Entre os usuários de Internet pelo telefone celular, o Wi-Fi se mantém como o tipo de conexão mais mencionado: 86% dos usuários afirmam utilizar o Wi-Fi, enquanto 70% utilizam a rede 3G ou 4G. Além disso, um em cada quatro usuários afirma ter se conectado exclusivamente por meio de Wi-Fi (25%), hábito que é mais comum entre os de 10 a 15 anos (42%). Outros 11% acessam apenas por redes 3G ou 4G, proporção que é maior entre os de classes D/E (18%).</p> <p style="text-align: justify;"><strong>Atividades realizadas na rede</strong></p> <p style="text-align: justify;">Já no que diz respeito às atividades <em>on-line</em>, as mais mencionadas continuam sendo o uso da Internet para envio de mensagens instantâneas (89%) e uso de redes sociais (78%) – proporções que se mantêm estáveis em relação à edição anterior da pesquisa. Em 2016, observou-se que 17% dos usuários usam a Internet para divulgar ou vender produtos ou serviços, enquanto essa proporção era de apenas 7% em 2012. A pesquisa TIC Domicílios 2016 também mostra que há diferenças quanto ao consumo de bens culturais <em>on-line</em> entre os residentes em áreas urbanas e rurais. Enquanto 70% dos usuários de Internet de áreas urbanas afirmam assistir a vídeos, programas, filmes ou séries <em>on-line</em>, essa proporção é de 56% nas áreas rurais. Ouvir música <em>on-line</em> é uma atividade realizada por 64% dos usuários de áreas urbanas e 53% de áreas rurais.</p> <p style="text-align: justify;">"O indicador revela a existência de desigualdades também quanto ao tipo de atividade realizada pelos usuários a depender de condições de infraestrutura, sobretudo, quando se trata de aplicações que requerem velocidades de banda mais alta, como é o caso de <em>streaming</em> de vídeo. Esse é mais um ponto importante para garantir uma plena inclusão digital", ressalta Barbosa.</p> <p style="text-align: justify;">Em sua 12ª edição, o estudo realizou entrevistas em mais de 23 mil domicílios em todo o território nacional, entre novembro de 2016 e junho de 2017, com o objetivo de medir o uso das tecnologias da informação e da comunicação nos domicílios, o acesso individual a computadores e à Internet, atividades desenvolvidas na rede, entre outros indicadores.</p> <p style="text-align: justify;">Para acessar a TIC Domicílios 2016 na íntegra, assim como rever a série histórica, visite <a href="http://www.imcgrupo.com/link.php?code=bDpodHRwJTNBJTJGJTJGY2V0aWMuYnIlMkY6MzE4ODAyODU4MDppcnVlaGFyYS50bG5AdGVycmEuY29tLmJyOjdhNDE1YzUxNGQ5ODdkMTgzOTg3NWMyMWEwYzRjY2M2MGE=">http://cetic.br/</a>. Compare a evolução dos indicadores a partir da visualização de dados disponível em: <a href="http://www.imcgrupo.com/link.php?code=bDpodHRwJTNBJTJGJTJGZGF0YS5jZXRpYy5iciUyRmNldGljJTJGZXhwbG9yZSUzRmlkUGVzcXVpc2ElM0RUSUNfRE9NOjMxODgwMjg1ODA6aXJ1ZWhhcmEudGxuQHRlcnJhLmNvbS5icjo3YjBkNzI2NjVmYWM0YWUyYWUxZTIyYTI4MmE5ZjY4ODM3">http://data.cetic.br/cetic/explore?idPesquisa=TIC_DOM</a>. <br /> </p></div> Gartner fornece dicas para a implementação correta de dispositivos na IoT 2017-08-30T00:00:00+00:00 2017-08-30T00:00:00+00:00 http://www.executivosfinanceiros.com.br/internet/5926-gartner-fornece-dicas-para-a-implementacao-correta-de-dispositivos-na-iot Redação <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/6b4b922a74fca14aa855a2064cdfc23c_L.jpg" alt="Gartner fornece dicas para a implementação correta de dispositivos na IoT" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p>Profissionais de TI devem integrar completamente produtos a plataformas de IoT, nuvem e aplicativos móveis</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">O <a href="http://www.imcgrupo.com/link.php?code=bDpodHRwJTNBJTJGJTJGd3d3LmdhcnRuZXIuY29tJTJGOjIyODIzODY0NDk6aXJ1ZWhhcmEudGxuQHRlcnJhLmNvbS5icjpjYzY2ZGZmN2FhZGUwZDUxYTFlOTQ3ZGM4NDRmYTMzZGFm">Gartner</a><a href="http://www.imcgrupo.com/link.php?code=bDpodHRwJTNBJTJGJTJGd3d3LmdhcnRuZXIuY29tJTJGOjIyODIzODY0NDk6aXJ1ZWhhcmEudGxuQHRlcnJhLmNvbS5icjpjYzY2ZGZmN2FhZGUwZDUxYTFlOTQ3ZGM4NDRmYTMzZGFm">, Inc.</a><strong>, </strong>consultoria global em pesquisa e aconselhamento em tecnologia, mostra como produtos conectados à Internet das Coisas (IoT) estão proliferando rapidamente. Isso inclui uma gama de aparelhos domésticos e equipamentos industriais, englobando de máquinas de lavar prato inteligentes a bombas industriais. Para os dispositivos conectados funcionarem adequadamente e entregarem valor de negócio, equipes de TI devem integrar completamente esses produtos a plataformas de IoT, nuvem e aplicativos móveis, assim como várias aplicações importantes do negócio, como CRM, Procurement e Field Service.</p> <p style="text-align: justify;">Identificar quais formas de integração são necessárias para conectar um produto à IoT é o primeiro e mais importante passo para essa revolução. "Alcançar a integração completa para ativos conectados à IoT é provavelmente mais desafiador do que você pensa, porque envolve muitos terminais diferentes da TI", diz <a href="http://www.imcgrupo.com/link.php?code=bDpodHRwJTNBJTJGJTJGd3d3LmdhcnRuZXIuY29tJTJGYW5hbHlzdCUyRjEyNTQzJTJGQmVub2l0LUouLUxoZXVyZXV4OjIyODIzODY0NDk6aXJ1ZWhhcmEudGxuQHRlcnJhLmNvbS5icjoyYjk4NTUwNGRkN2UzOTA2YmRlM2I3Y2MzYmI2MWVhMTk2">Benoit Lheureux</a>, vice-presidente de Pesquisas do Gartner. "Além dos terminais de IoT em si, esses ativos podem precisar ser conectados a um gateway de IoT, que agrega os dados de sensores e os envia para uma plataforma de IoT que possa fornecer os recursos de TI necessários para administrar o consumo de dados, analytics, entre outros", acrescenta.</p> <p style="text-align: justify;">A infraestrutura de IoT pode precisar ser conectada a um aplicativo móvel para controle fácil das aplicações corporativas que já gerenciam processos empresariais existentes que a IoT pode melhorar e, em muitos casos, também a parceiros externos no ecossistema da organização.</p> <p style="text-align: justify;">Outro aspecto-chave para a integração de um novo produto é identificar e preencher quaisquer lacunas de capacidade da IoT. "Muitas companhias, mas não todas, terão algumas tecnologias e habilidades de que precisam para se beneficiar ao máximo das implementações de IoT", nota Lheureux. "É crucial qualificar as expectativas em torno de uma implementação e assegurar que ela entregará os benefícios esperados", explica.</p> <p style="text-align: justify;">A falta de conhecimento, no entanto, não significa que um projeto de IoT não possa acontecer. Como alternativa ao "faça você mesmo", muitas organizações caminham em direção à IoT por meio de ofertas integradas de provedores de serviços gerenciados e de plataformas de IoT, provedores de serviços de comunicação e MVNOs (Mobile Virtual Network Operators, ou Operadores Móveis Virtuais).</p></div> <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/6b4b922a74fca14aa855a2064cdfc23c_L.jpg" alt="Gartner fornece dicas para a implementação correta de dispositivos na IoT" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p>Profissionais de TI devem integrar completamente produtos a plataformas de IoT, nuvem e aplicativos móveis</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">O <a href="http://www.imcgrupo.com/link.php?code=bDpodHRwJTNBJTJGJTJGd3d3LmdhcnRuZXIuY29tJTJGOjIyODIzODY0NDk6aXJ1ZWhhcmEudGxuQHRlcnJhLmNvbS5icjpjYzY2ZGZmN2FhZGUwZDUxYTFlOTQ3ZGM4NDRmYTMzZGFm">Gartner</a><a href="http://www.imcgrupo.com/link.php?code=bDpodHRwJTNBJTJGJTJGd3d3LmdhcnRuZXIuY29tJTJGOjIyODIzODY0NDk6aXJ1ZWhhcmEudGxuQHRlcnJhLmNvbS5icjpjYzY2ZGZmN2FhZGUwZDUxYTFlOTQ3ZGM4NDRmYTMzZGFm">, Inc.</a><strong>, </strong>consultoria global em pesquisa e aconselhamento em tecnologia, mostra como produtos conectados à Internet das Coisas (IoT) estão proliferando rapidamente. Isso inclui uma gama de aparelhos domésticos e equipamentos industriais, englobando de máquinas de lavar prato inteligentes a bombas industriais. Para os dispositivos conectados funcionarem adequadamente e entregarem valor de negócio, equipes de TI devem integrar completamente esses produtos a plataformas de IoT, nuvem e aplicativos móveis, assim como várias aplicações importantes do negócio, como CRM, Procurement e Field Service.</p> <p style="text-align: justify;">Identificar quais formas de integração são necessárias para conectar um produto à IoT é o primeiro e mais importante passo para essa revolução. "Alcançar a integração completa para ativos conectados à IoT é provavelmente mais desafiador do que você pensa, porque envolve muitos terminais diferentes da TI", diz <a href="http://www.imcgrupo.com/link.php?code=bDpodHRwJTNBJTJGJTJGd3d3LmdhcnRuZXIuY29tJTJGYW5hbHlzdCUyRjEyNTQzJTJGQmVub2l0LUouLUxoZXVyZXV4OjIyODIzODY0NDk6aXJ1ZWhhcmEudGxuQHRlcnJhLmNvbS5icjoyYjk4NTUwNGRkN2UzOTA2YmRlM2I3Y2MzYmI2MWVhMTk2">Benoit Lheureux</a>, vice-presidente de Pesquisas do Gartner. "Além dos terminais de IoT em si, esses ativos podem precisar ser conectados a um gateway de IoT, que agrega os dados de sensores e os envia para uma plataforma de IoT que possa fornecer os recursos de TI necessários para administrar o consumo de dados, analytics, entre outros", acrescenta.</p> <p style="text-align: justify;">A infraestrutura de IoT pode precisar ser conectada a um aplicativo móvel para controle fácil das aplicações corporativas que já gerenciam processos empresariais existentes que a IoT pode melhorar e, em muitos casos, também a parceiros externos no ecossistema da organização.</p> <p style="text-align: justify;">Outro aspecto-chave para a integração de um novo produto é identificar e preencher quaisquer lacunas de capacidade da IoT. "Muitas companhias, mas não todas, terão algumas tecnologias e habilidades de que precisam para se beneficiar ao máximo das implementações de IoT", nota Lheureux. "É crucial qualificar as expectativas em torno de uma implementação e assegurar que ela entregará os benefícios esperados", explica.</p> <p style="text-align: justify;">A falta de conhecimento, no entanto, não significa que um projeto de IoT não possa acontecer. Como alternativa ao "faça você mesmo", muitas organizações caminham em direção à IoT por meio de ofertas integradas de provedores de serviços gerenciados e de plataformas de IoT, provedores de serviços de comunicação e MVNOs (Mobile Virtual Network Operators, ou Operadores Móveis Virtuais).</p></div> Logicalis desenvolve soluções completas de IoT para seus clientes 2017-08-22T00:00:00+00:00 2017-08-22T00:00:00+00:00 http://www.executivosfinanceiros.com.br/internet/5904-logicalis-desenvolve-solucoes-completas-de-iot-para-seus-clientes Redação <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/97d8590eb5469694406cf90a3c94c14f_L.jpg" alt="Logicalis desenvolve soluções completas de IoT para seus clientes" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p>Empresa trabalha no desenho de sensores e gateways, entre outros ativos, para atender demandas específicas de projetos</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">Atenta às necessidades do crescente mercado de internet das coisas (IoT), a Logicalis, empresa global de soluções e serviços de tecnologia da informação e comunicação, passou a desenvolver soluções completas de IoT, que podem incluir o desenvolvimento de hardware, como sensores e gateways. O objetivo é atender de forma mais completa os clientes que desejam realizar projetos envolvendo internet das coisas. </p> <p style="text-align: justify;">A ideia surgiu após inúmeros projetos realizados pela empresa ao longo dos últimos três anos. “Apesar de haver uma variedade enorme de produtos no mercado, identificamos lacunas que não são atendidas pelos sensores e gateways existentes. Ao criarmos nossas próprias soluções em hardware, temos mais uma opção para solucionar o problema dos nossos clientes com agilidade”, afirma Fábio Jardim, gerente responsável pela iniciativa.  </p> <p style="text-align: justify;">As soluções de hardware da Logicalis são desenvolvidas de forma modular, combinadas de acordo com as especificidades técnicas e necessidades de negócios de cada cliente. Com isso, a empresa garante a adequação de suas soluções a cada projeto, tanto em termos tecnológicos quanto em relação aos custos. “Nossa estratégia está focada no cliente e em desenvolver projetos de IoT com as melhores soluções possíveis, sejam nossas ou de nossos parceiros”, explica Jardim. </p> <p style="text-align: justify;">Um exemplo de situação em que esse tipo de solução se torna interessante é aquela na qual a tomada de decisão precisa ser muito ágil e a análise de dados não pode depender de conectividade. Em casos como esse, a Logicalis desenvolve sensores com inteligência embarcada, usando elementos de software de sua plataforma de IoT, EUGENIO. Assim, o dispositivo torna-se capaz de tomar decisões localmente, ganhando agilidade e resolvendo possíveis dificuldades trazidas por problemas de conectividade.</p></div> <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/97d8590eb5469694406cf90a3c94c14f_L.jpg" alt="Logicalis desenvolve soluções completas de IoT para seus clientes" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p>Empresa trabalha no desenho de sensores e gateways, entre outros ativos, para atender demandas específicas de projetos</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">Atenta às necessidades do crescente mercado de internet das coisas (IoT), a Logicalis, empresa global de soluções e serviços de tecnologia da informação e comunicação, passou a desenvolver soluções completas de IoT, que podem incluir o desenvolvimento de hardware, como sensores e gateways. O objetivo é atender de forma mais completa os clientes que desejam realizar projetos envolvendo internet das coisas. </p> <p style="text-align: justify;">A ideia surgiu após inúmeros projetos realizados pela empresa ao longo dos últimos três anos. “Apesar de haver uma variedade enorme de produtos no mercado, identificamos lacunas que não são atendidas pelos sensores e gateways existentes. Ao criarmos nossas próprias soluções em hardware, temos mais uma opção para solucionar o problema dos nossos clientes com agilidade”, afirma Fábio Jardim, gerente responsável pela iniciativa.  </p> <p style="text-align: justify;">As soluções de hardware da Logicalis são desenvolvidas de forma modular, combinadas de acordo com as especificidades técnicas e necessidades de negócios de cada cliente. Com isso, a empresa garante a adequação de suas soluções a cada projeto, tanto em termos tecnológicos quanto em relação aos custos. “Nossa estratégia está focada no cliente e em desenvolver projetos de IoT com as melhores soluções possíveis, sejam nossas ou de nossos parceiros”, explica Jardim. </p> <p style="text-align: justify;">Um exemplo de situação em que esse tipo de solução se torna interessante é aquela na qual a tomada de decisão precisa ser muito ágil e a análise de dados não pode depender de conectividade. Em casos como esse, a Logicalis desenvolve sensores com inteligência embarcada, usando elementos de software de sua plataforma de IoT, EUGENIO. Assim, o dispositivo torna-se capaz de tomar decisões localmente, ganhando agilidade e resolvendo possíveis dificuldades trazidas por problemas de conectividade.</p></div> Marketplace é uma boa opção para lojistas estarem na internet 2017-07-11T00:00:00+00:00 2017-07-11T00:00:00+00:00 http://www.executivosfinanceiros.com.br/internet/5687-marketplace-e-uma-boa-opcao-para-lojistas-estarem-na-internet Redação <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/3169946584981c10d3371a102cc56bba_L.jpg" alt="Marketplace é uma boa opção para lojistas estarem na internet" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p style="text-align: justify;">Especialista no assunto dá dicas de como investir no mundo online por meio de “shoppings virtuais<em>”</em></p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">O varejo teve o melhor abril desde 2006, de acordo com levantamento recente do IBGE – o resultado ficou positivo em 1%. A leve recuperação se deu, principalmente, pelos saques do FGTS, analisa o instituto. Mesmo assim, os números do varejo físico ainda preocupam os comerciantes que buscam alternativas para alavancar as vendas e conseguir mais clientes.</p> <p style="text-align: justify;"> Uma boa opção para esses lojistas, tem sido investir no comércio eletrônico, já que os números sobem a cada ano - a estimativa é que o setor cresça 15% em 2017. Porém, ter uma loja física e partir para a criação e administração de uma loja virtual pode não ser uma tarefa fácil. Segundo Frederico Flores, especialista em marketplaces, uma alternativa segura e com baixo investimento inicial é optar pelas vendas em shoppings virtuais.</p> <p style="text-align: justify;"> “Começar a vender em marketplaces pode ser a solução para quem quer investir no comércio eletrônico sem ter um site próprio, mas é preciso ter dedicação e estratégias para fazer a loja decolar. Além disso, algumas ferramentas acessíveis podem ajudar no início de negócio”, explica.</p> <p style="text-align: justify;"> <strong>Veja 7 dicas para faturar no comércio eletrônico sem ter uma loja virtual:  </strong></p> <p style="text-align: justify;"> </p> <ol style="text-align: justify;"> <li><strong>Entenda o que é um marketplace</strong></li> </ol> <p style="text-align: justify;">Os marketplaces são plataformas de e-commerce colaborativas, que funcionam como um shopping virtual conectando lojistas e prestadores de serviços a compradores. </p> <p style="text-align: justify;"> </p> <ol style="text-align: justify;" start="2"> <li><strong> Escolha o marketplace correto</strong></li> </ol> <p style="text-align: justify;">No Brasil já existem diversas plataformas de marketplaces – alguns grandes varejistas como o Mercado Livre, Lojas Americanas e Submarino, por exemplo. Também existem marketplaces de nicho, que são focados em determinados públicos e vendem apenas alguns segmentos de produtos. ​Cada um tem suas regras e particularidades. Estude e análise as que mais fazem sentido para o seu negócio. ​</p> <p style="text-align: justify;"> </p> <ol style="text-align: justify;" start="3"> <li><strong>Conheça as taxas e comissões</strong></li> </ol> <p style="text-align: justify;">Alguns marketplaces cobram taxas de 5 a 25% por cada venda efetuada ou até mensalidades fixas para disponibilizar os serviços nos sites. Antes de começar a vender, procure saber qual é a porcentagem da plataforma escolhida​ e as variações da comissão com base na condição comercial. “Taxas muito baixas podem significar menor liquidez para receber o dinheiro. Taxas mais altas, em contrapartida, podem oferecer a oportunidade de o seu cliente parcelar sem juros e você receber à vista, por exemplo”, explica o Frederico Flores. ​</p> <p style="text-align: justify;"> </p> <ol style="text-align: justify;" start="4"> <li><strong>Não esqueça sua loja no marketplace</strong></li> </ol> <p style="text-align: justify;">Uma vez cadastrado em um marketplace, o lojista precisa estar preparado para atender mais clientes. Ter uma loja em um shopping virtual permite que milhares de pessoas encontrem seus serviços pela internet, porém, mesmo com o aumento da procura é essencial que a loja cumpra prazos de entrega e preste um bom atendimento ao cliente.</p> <p style="text-align: justify;"><strong> </strong></p> <ol style="text-align: justify;" start="5"> <li><strong>Automatize seu negócio</strong></li> </ol> <p style="text-align: justify;">Administrar todas as etapas de vendas em marketplaces exigia tempo e um investimento que nem todos os lojistas possuíam. Porém, existem soluções acessíveis para ajudar no gerenciamento dessas lojas. A Becommerce – maior plataforma para gestão de vendas em marketplaces (<a href="https://mailtrack.io/trace/link/fa9f9e0e601cd9b34c576d2bb9e153d4d26b1787?url=http%3A%2F%2Fwww.becommerce.com.br%2F&amp;userId=1654247&amp;signature=6e8c63cd44204f5e">www.becommerce.com.br</a>) -, por exemplo, automatiza todas as etapas das vendas, desde o atendimento ao cliente até a entrega.</p> <p style="text-align: justify;">​ ​</p> <p style="text-align: justify;">Uma das ferramentas disponíveis permite responder todas as dúvidas dos clientes 24 horas por dia – sem intervenção humana. Além disso, o sistema monitora o preço da concorrência e diminui o valor dos seus produtos automaticamente, caso outra loja faça alguma alteração.</p> <p style="text-align: justify;"> </p> <ol style="text-align: justify;" start="6"> <li><strong>Profissionalize</strong><strong>seu contato com o cliente</strong></li> </ol> <p style="text-align: justify;">A concorrência dentro dos marketplaces é acirrada e mais do nunca é necessário passar credibilidade para os clientes. Com ajuda de plataformas de gestão tudo ​pode ser feito de forma automática e profissional, diminuindo o tempo em que os processos acontecem e que o seu cliente é avisado. ​</p> <p style="text-align: justify;"> </p> <ol style="text-align: justify;" start="7"> <li><strong>Deixe sua loja personalizada</strong></li> </ol> <p style="text-align: justify;">Assim como nas lojas virtuais, os marketplaces também permitem que o negócio tenha “sua cara”. Pense em templates de anúncios que explorem a identidade visual do seu negócio e, ao mesmo tempo, informe e passe credibilidade para seu cliente. Possui prazo de entrega rápido? Informe isso de forma divertida, dizendo, por exemplo, que sua entrega é "à jato". Atende final de semana? Mostre uma foto de sua equipe e conte que aquele pessoal está pronto para atender o cliente de domingo a domingo. </p> <p style="text-align: justify;"> </p></div> <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/3169946584981c10d3371a102cc56bba_L.jpg" alt="Marketplace é uma boa opção para lojistas estarem na internet" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p style="text-align: justify;">Especialista no assunto dá dicas de como investir no mundo online por meio de “shoppings virtuais<em>”</em></p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">O varejo teve o melhor abril desde 2006, de acordo com levantamento recente do IBGE – o resultado ficou positivo em 1%. A leve recuperação se deu, principalmente, pelos saques do FGTS, analisa o instituto. Mesmo assim, os números do varejo físico ainda preocupam os comerciantes que buscam alternativas para alavancar as vendas e conseguir mais clientes.</p> <p style="text-align: justify;"> Uma boa opção para esses lojistas, tem sido investir no comércio eletrônico, já que os números sobem a cada ano - a estimativa é que o setor cresça 15% em 2017. Porém, ter uma loja física e partir para a criação e administração de uma loja virtual pode não ser uma tarefa fácil. Segundo Frederico Flores, especialista em marketplaces, uma alternativa segura e com baixo investimento inicial é optar pelas vendas em shoppings virtuais.</p> <p style="text-align: justify;"> “Começar a vender em marketplaces pode ser a solução para quem quer investir no comércio eletrônico sem ter um site próprio, mas é preciso ter dedicação e estratégias para fazer a loja decolar. Além disso, algumas ferramentas acessíveis podem ajudar no início de negócio”, explica.</p> <p style="text-align: justify;"> <strong>Veja 7 dicas para faturar no comércio eletrônico sem ter uma loja virtual:  </strong></p> <p style="text-align: justify;"> </p> <ol style="text-align: justify;"> <li><strong>Entenda o que é um marketplace</strong></li> </ol> <p style="text-align: justify;">Os marketplaces são plataformas de e-commerce colaborativas, que funcionam como um shopping virtual conectando lojistas e prestadores de serviços a compradores. </p> <p style="text-align: justify;"> </p> <ol style="text-align: justify;" start="2"> <li><strong> Escolha o marketplace correto</strong></li> </ol> <p style="text-align: justify;">No Brasil já existem diversas plataformas de marketplaces – alguns grandes varejistas como o Mercado Livre, Lojas Americanas e Submarino, por exemplo. Também existem marketplaces de nicho, que são focados em determinados públicos e vendem apenas alguns segmentos de produtos. ​Cada um tem suas regras e particularidades. Estude e análise as que mais fazem sentido para o seu negócio. ​</p> <p style="text-align: justify;"> </p> <ol style="text-align: justify;" start="3"> <li><strong>Conheça as taxas e comissões</strong></li> </ol> <p style="text-align: justify;">Alguns marketplaces cobram taxas de 5 a 25% por cada venda efetuada ou até mensalidades fixas para disponibilizar os serviços nos sites. Antes de começar a vender, procure saber qual é a porcentagem da plataforma escolhida​ e as variações da comissão com base na condição comercial. “Taxas muito baixas podem significar menor liquidez para receber o dinheiro. Taxas mais altas, em contrapartida, podem oferecer a oportunidade de o seu cliente parcelar sem juros e você receber à vista, por exemplo”, explica o Frederico Flores. ​</p> <p style="text-align: justify;"> </p> <ol style="text-align: justify;" start="4"> <li><strong>Não esqueça sua loja no marketplace</strong></li> </ol> <p style="text-align: justify;">Uma vez cadastrado em um marketplace, o lojista precisa estar preparado para atender mais clientes. Ter uma loja em um shopping virtual permite que milhares de pessoas encontrem seus serviços pela internet, porém, mesmo com o aumento da procura é essencial que a loja cumpra prazos de entrega e preste um bom atendimento ao cliente.</p> <p style="text-align: justify;"><strong> </strong></p> <ol style="text-align: justify;" start="5"> <li><strong>Automatize seu negócio</strong></li> </ol> <p style="text-align: justify;">Administrar todas as etapas de vendas em marketplaces exigia tempo e um investimento que nem todos os lojistas possuíam. Porém, existem soluções acessíveis para ajudar no gerenciamento dessas lojas. A Becommerce – maior plataforma para gestão de vendas em marketplaces (<a href="https://mailtrack.io/trace/link/fa9f9e0e601cd9b34c576d2bb9e153d4d26b1787?url=http%3A%2F%2Fwww.becommerce.com.br%2F&amp;userId=1654247&amp;signature=6e8c63cd44204f5e">www.becommerce.com.br</a>) -, por exemplo, automatiza todas as etapas das vendas, desde o atendimento ao cliente até a entrega.</p> <p style="text-align: justify;">​ ​</p> <p style="text-align: justify;">Uma das ferramentas disponíveis permite responder todas as dúvidas dos clientes 24 horas por dia – sem intervenção humana. Além disso, o sistema monitora o preço da concorrência e diminui o valor dos seus produtos automaticamente, caso outra loja faça alguma alteração.</p> <p style="text-align: justify;"> </p> <ol style="text-align: justify;" start="6"> <li><strong>Profissionalize</strong><strong>seu contato com o cliente</strong></li> </ol> <p style="text-align: justify;">A concorrência dentro dos marketplaces é acirrada e mais do nunca é necessário passar credibilidade para os clientes. Com ajuda de plataformas de gestão tudo ​pode ser feito de forma automática e profissional, diminuindo o tempo em que os processos acontecem e que o seu cliente é avisado. ​</p> <p style="text-align: justify;"> </p> <ol style="text-align: justify;" start="7"> <li><strong>Deixe sua loja personalizada</strong></li> </ol> <p style="text-align: justify;">Assim como nas lojas virtuais, os marketplaces também permitem que o negócio tenha “sua cara”. Pense em templates de anúncios que explorem a identidade visual do seu negócio e, ao mesmo tempo, informe e passe credibilidade para seu cliente. Possui prazo de entrega rápido? Informe isso de forma divertida, dizendo, por exemplo, que sua entrega é "à jato". Atende final de semana? Mostre uma foto de sua equipe e conte que aquele pessoal está pronto para atender o cliente de domingo a domingo. </p> <p style="text-align: justify;"> </p></div> F5 fatura R$ 518,2 milhões no segundo trimestre do ano fiscal 2017 2017-05-18T00:00:00+00:00 2017-05-18T00:00:00+00:00 http://www.executivosfinanceiros.com.br/internet/5358-f5-fatura-r-5182-milhoes-no-segundo-trimestre-do-ano-fiscal-2017 Redação <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/383a36c17eafaeefd59fc7a88edd42c7_L.jpg" alt="F5 fatura R$ 518,2 milhões no segundo trimestre do ano fiscal 2017" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p style="text-align: justify;">Resultado representa um aumento de 7,1% em relação aos US$483,7 milhões do mesmo período do ano passado</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">A F5, líder em soluções de ADN (Application Delivery Networking) – tecnologia que garante a entrega de aplicações rodando em ambiente Web – anunciou uma receita de US$518,2 milhões no segundo trimestre fiscal de 2017, encerrado em 31 de dezembro. Comparando-se esse valor com o faturamento do mesmo quarter em 2016, isso significa um salto de 7,1%, o que equivale a US$34,5 milhões de dólares a mais.</p> <p style="text-align: justify;"> O ano fiscal da F5 Networks termina no dia 30 de setembro.</p> <p style="text-align: justify;"> Esse faturamento foi fortalecido pela oferta das novas edições virtuais do 40-Gigabit BIG-IP, além de produtos de segurança como o Herculon SSL Orchestrator e Herculon DDoS Hybrid Defender. Faz parte das soluções mais inovadoras, ainda, o sistema operacional BIG-IP, TMOS 13.0 da F5. “Essas novas ofertas renderam um ganho de mais de US$2 milhões de dólares em vendas para a empresa, em relação ao trimestre passado”, aponta Rita D’Andrea, country manager da F5 no Brasil.</p> <p style="text-align: justify;"> Ela avalia, ainda, que a família de utilitários BIG-IP iSeries, por ter sido arquitetada para oferecer grande desempenho e escalabilidade em toda a linha, continua a ser bem recebida pelos clientes. “A chave para isso é que essas plataformas de hardware programáveis e definidas por software (modelo SDN) incluem funcionalidades projetadas para simplificar implementações em nuvem privada e construções em nuvem híbrida”.</p> <p style="text-align: justify;"> <strong>Previsão para o trimestre atual</strong></p> <p style="text-align: justify;"><strong> </strong>Vários novos produtos programados para início de distribuição no presente trimestre ajudarão os clientes a implementarem suas aplicações em uma variedade de ambientes de nuvem. Essas soluções incluem Application Connector 1.0 para conectar infraestruturas de aplicação em nuvem pública e privada, suporte a BIG-IP na Google Public Cloud, e Container Connector and Application Services Proxy para ambientes de microsserviços.</p> <p style="text-align: justify;"> </p></div> <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/383a36c17eafaeefd59fc7a88edd42c7_L.jpg" alt="F5 fatura R$ 518,2 milhões no segundo trimestre do ano fiscal 2017" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p style="text-align: justify;">Resultado representa um aumento de 7,1% em relação aos US$483,7 milhões do mesmo período do ano passado</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">A F5, líder em soluções de ADN (Application Delivery Networking) – tecnologia que garante a entrega de aplicações rodando em ambiente Web – anunciou uma receita de US$518,2 milhões no segundo trimestre fiscal de 2017, encerrado em 31 de dezembro. Comparando-se esse valor com o faturamento do mesmo quarter em 2016, isso significa um salto de 7,1%, o que equivale a US$34,5 milhões de dólares a mais.</p> <p style="text-align: justify;"> O ano fiscal da F5 Networks termina no dia 30 de setembro.</p> <p style="text-align: justify;"> Esse faturamento foi fortalecido pela oferta das novas edições virtuais do 40-Gigabit BIG-IP, além de produtos de segurança como o Herculon SSL Orchestrator e Herculon DDoS Hybrid Defender. Faz parte das soluções mais inovadoras, ainda, o sistema operacional BIG-IP, TMOS 13.0 da F5. “Essas novas ofertas renderam um ganho de mais de US$2 milhões de dólares em vendas para a empresa, em relação ao trimestre passado”, aponta Rita D’Andrea, country manager da F5 no Brasil.</p> <p style="text-align: justify;"> Ela avalia, ainda, que a família de utilitários BIG-IP iSeries, por ter sido arquitetada para oferecer grande desempenho e escalabilidade em toda a linha, continua a ser bem recebida pelos clientes. “A chave para isso é que essas plataformas de hardware programáveis e definidas por software (modelo SDN) incluem funcionalidades projetadas para simplificar implementações em nuvem privada e construções em nuvem híbrida”.</p> <p style="text-align: justify;"> <strong>Previsão para o trimestre atual</strong></p> <p style="text-align: justify;"><strong> </strong>Vários novos produtos programados para início de distribuição no presente trimestre ajudarão os clientes a implementarem suas aplicações em uma variedade de ambientes de nuvem. Essas soluções incluem Application Connector 1.0 para conectar infraestruturas de aplicação em nuvem pública e privada, suporte a BIG-IP na Google Public Cloud, e Container Connector and Application Services Proxy para ambientes de microsserviços.</p> <p style="text-align: justify;"> </p></div> E-mail marketing ainda é importante para 86% das empresas brasileiras 2017-04-05T00:00:00+00:00 2017-04-05T00:00:00+00:00 http://www.executivosfinanceiros.com.br/internet/5026-e-mail-marketing-ainda-e-importante-para-86-das-empresas-brasileiras Redação <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/5293f5458640d6a0538252e48c357793_L.jpg" alt="E-mail marketing ainda é importante para 86% das empresas brasileiras" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p style="text-align: justify;">Ferramenta oferece maior alcance de diálogo com os públicos, segundo os entrevistados, seguida pelas redes socias (82%), aponta pesquisa da Experian</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">Pesquisa Global sobre Gestão e Qualidade de Dados (Global Data Management Benchmark Report), feita pela Experian entre outubro e novembro do ano passado, mostra que para 86% dos entrevistados brasileiros, o e-mail (marketing) é o ponto-alto da comunicação empresarial e será ainda a ferramenta que oferece maior alcance de diálogo com seus públicos, seguido do uso das redes socias (82%).</p> <p style="text-align: justify;"> A visão global do levantamento também apontou essa tendência. A pesquisa, que consultou 1.400 profissionais de oito países - Reino Unido, Estados Unidos, Austrália, França, Alemanha, Espanha, Brasil e Cingapura - mostra que o e-mail será a comunicação com o cliente mais importante para 66% das organizações em 2017. Comparado a pesquisa anterior, onde esse canal chegou a representar 76%, houve uma queda. Porém, a diminuição foi compensada pelo aumento da importância das mídias sociais para 47% dos entrevistados, contra 38% em 2015.</p> <p style="text-align: justify;"> “No mundo todo o e-mail ainda vai ser, por um tempo, um canal bastante relevante na estratégia de relacionamento com clientes. Apesar do crescimento das redes sociais, aplicativos e outras formas de contato, esse continua sendo o meio mais acessível à grande maioria das empresas. Ajuda também a relativa facilidade de se medir o retorno sobre investimento através dele”, analisa Fernando Rosolem, gerente sênior de produtos da Serasa Experian.</p> <p style="text-align: justify;">No mercado brasileiro, a telefonia móvel continua relevante para 64% e o uso do SMS na comunicação com o cliente para 38%. A adesão ao telefone fixo continua em alta para 42% dos entrevistados. Em comparação com os demais países do estudo, há empate com a Espanha (64%), seguido por Estados Unidos (48%), Cingapura (43%), Australia e França (39%), Alemanha (37%) e Reino Unido (33%).</p> <p style="text-align: justify;"> Neste ano, 38% dos profissionais brasileiros e australianos ainda apostarão suas fixas no SMS para se comunicar com os clientes. Com menores percentuais o item segue com Cingapura (31%), Estados Unidos (30%), França (27%), Reino Unido (22%), Alemanha (18%) e Espanha (17%).</p> <p style="text-align: justify;"> A telefonia fixa também será relevante no Brasil para 42% dos entrevistados em comparação aos demais países, que não devem utilizar o meio com tanta frequência. Alemanha ocupa o segundo lugar com 37%, seguido da Austrália e Espanha, ambos com 32%, Cingapura (28%), Reino Unido (24%), Estados Unidos (23%) e França (18%).</p> <p style="text-align: justify;">No Brasil, 83% dos profissionais ainda afirmaram enxergar melhorias significativas na eficiência das campanhas de marketing após aprimorar suas soluções de qualidade de dados, ocupando o primeiro lugar nesse item. Espanha ocupa o segundo posto com 71%, seguido dos Estados Unidos (51%), Cingapura (49%), Austrália (48%), França (42%) e Reino Unido e Alemanha, ambos com 38%.</p> <p style="text-align: justify;"> </p></div> <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/5293f5458640d6a0538252e48c357793_L.jpg" alt="E-mail marketing ainda é importante para 86% das empresas brasileiras" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p style="text-align: justify;">Ferramenta oferece maior alcance de diálogo com os públicos, segundo os entrevistados, seguida pelas redes socias (82%), aponta pesquisa da Experian</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">Pesquisa Global sobre Gestão e Qualidade de Dados (Global Data Management Benchmark Report), feita pela Experian entre outubro e novembro do ano passado, mostra que para 86% dos entrevistados brasileiros, o e-mail (marketing) é o ponto-alto da comunicação empresarial e será ainda a ferramenta que oferece maior alcance de diálogo com seus públicos, seguido do uso das redes socias (82%).</p> <p style="text-align: justify;"> A visão global do levantamento também apontou essa tendência. A pesquisa, que consultou 1.400 profissionais de oito países - Reino Unido, Estados Unidos, Austrália, França, Alemanha, Espanha, Brasil e Cingapura - mostra que o e-mail será a comunicação com o cliente mais importante para 66% das organizações em 2017. Comparado a pesquisa anterior, onde esse canal chegou a representar 76%, houve uma queda. Porém, a diminuição foi compensada pelo aumento da importância das mídias sociais para 47% dos entrevistados, contra 38% em 2015.</p> <p style="text-align: justify;"> “No mundo todo o e-mail ainda vai ser, por um tempo, um canal bastante relevante na estratégia de relacionamento com clientes. Apesar do crescimento das redes sociais, aplicativos e outras formas de contato, esse continua sendo o meio mais acessível à grande maioria das empresas. Ajuda também a relativa facilidade de se medir o retorno sobre investimento através dele”, analisa Fernando Rosolem, gerente sênior de produtos da Serasa Experian.</p> <p style="text-align: justify;">No mercado brasileiro, a telefonia móvel continua relevante para 64% e o uso do SMS na comunicação com o cliente para 38%. A adesão ao telefone fixo continua em alta para 42% dos entrevistados. Em comparação com os demais países do estudo, há empate com a Espanha (64%), seguido por Estados Unidos (48%), Cingapura (43%), Australia e França (39%), Alemanha (37%) e Reino Unido (33%).</p> <p style="text-align: justify;"> Neste ano, 38% dos profissionais brasileiros e australianos ainda apostarão suas fixas no SMS para se comunicar com os clientes. Com menores percentuais o item segue com Cingapura (31%), Estados Unidos (30%), França (27%), Reino Unido (22%), Alemanha (18%) e Espanha (17%).</p> <p style="text-align: justify;"> A telefonia fixa também será relevante no Brasil para 42% dos entrevistados em comparação aos demais países, que não devem utilizar o meio com tanta frequência. Alemanha ocupa o segundo lugar com 37%, seguido da Austrália e Espanha, ambos com 32%, Cingapura (28%), Reino Unido (24%), Estados Unidos (23%) e França (18%).</p> <p style="text-align: justify;">No Brasil, 83% dos profissionais ainda afirmaram enxergar melhorias significativas na eficiência das campanhas de marketing após aprimorar suas soluções de qualidade de dados, ocupando o primeiro lugar nesse item. Espanha ocupa o segundo posto com 71%, seguido dos Estados Unidos (51%), Cingapura (49%), Austrália (48%), França (42%) e Reino Unido e Alemanha, ambos com 38%.</p> <p style="text-align: justify;"> </p></div> Nastek adota solução de Internet das Coisas da Embratel 2017-03-28T00:00:00+00:00 2017-03-28T00:00:00+00:00 http://www.executivosfinanceiros.com.br/internet/4952-nastek-adota-solucao-de-internet-das-coisas-da-embratel Redação <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/34a484259407eaebc0e23d9b1fa61d26_L.jpg" alt="Nastek adota solução de Internet das Coisas da Embratel" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p style="text-align: justify;">Com o IoT Control, a Nastek poderá gerenciar o status de suas linhas, executar diagnósticos de conectividade em tempo real e obter relatórios de forma simples e eficiente</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">A <a href="http://www.embratel.com.br/">Embratel</a> anuncia o fornecimento de solução de Internet das Coisas (IoT) para a Nastek Indústria e Tecnologia, uma das maiores empresas de tecnologia automatizada e rastreamento de veículos do Brasil. Com um vasto portfólio de serviços integrados de Telecomunicações, TI e Mobilidade Corporativa, a Embratel oferece ao cliente um plano na medida certa para o seu negócio. Por meio de 100 linhas do Plano IoT Control, com 20 MB compartilhamento de dados, a solução digital da Embratel permite o controle remoto dos dispositivos da empresa, alocados em seus clientes finais. Com o IoT Control, a Nastek poderá gerenciar o status de suas linhas, executar diagnósticos de conectividade em tempo real e obter relatórios de forma simples e eficiente.</p> <p style="text-align: justify;">“Estamos à frente do mercado ao utilizar um sistema inteligente de Internet das Coisas para controlar o uso de 100 dispositivos móveis, utilizados pelos nossos clientes”, diz José Wanderley Scucuglia, CEO e Diretor Executivo da Nastek Indústria e Tecnologia. Segundo ele, a adoção da solução vai ajudar a empresa a atuar de forma mais estratégica na medição de custos e consumo do pacote contratado em tempo real.</p> <p style="text-align: justify;">“A Nastek buscava alternativas para melhorar seu serviço de atendimento aos clientes. Agora, com a ajuda da Embratel poderá dar um salto de qualidade e garantir uma eficiência única no Brasil”, diz Marcello Miguel, diretor executivo de Marketing e Negócios da Embratel. O executivo destaca que a oferta também garantirá a redução do custo operacional de equipes técnicas e a simplificação da gestão remota de suas linhas e SIM Cards.</p> <p style="text-align: justify;">A Embratel é a empresa mais preparada para as ofertas de Internet das Coisas, pois oferece soluções de Telecomunicações, TI e Mobilidade Corporativa de forma integrada. Por meio da TI e Internet das Coisas, as operações – desde as mais rotineiras até as mais complexas – podem ser automatizadas, assegurando produtividade e competitividade. A base das soluções de Internet das Coisas oferecidas é a infraestrutura de Telecom, TI e Mobilidade da Embratel, que funciona de forma ininterrupta para assegurar conectividade e gestão de milhares de dispositivos.</p> <p style="text-align: justify;">“Essa integração é fundamental para a IoT, uma vez que as máquinas e os dispositivos precisam se comunicar em total sincronia. E é neste cenário que a Embratel se destaca ao fornecer soluções que unem esses universos, tornando possível que as empresas ofereçam esta transformação digital a seus clientes finais”, afirma Marcello Miguel.</p> <p style="text-align: justify;">            A Nastek Indústria e Tecnologia está no Brasil desde 2002 e possui um portfólio completo de produtos de comunicação de dados via rádio-frequência, GPRS/GSM e satélite para serem usados em serviços e missões críticas (utilities, mineração, segurança pública, entre outros). A empresa atua ainda na gestão de risco e logística de eletrônicos, cargas de alto valor, cargas perigosas, além do rastreamento de veículos.</p> <p style="text-align: justify;"> </p> <p style="text-align: justify;"> </p></div> <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/34a484259407eaebc0e23d9b1fa61d26_L.jpg" alt="Nastek adota solução de Internet das Coisas da Embratel" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p style="text-align: justify;">Com o IoT Control, a Nastek poderá gerenciar o status de suas linhas, executar diagnósticos de conectividade em tempo real e obter relatórios de forma simples e eficiente</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">A <a href="http://www.embratel.com.br/">Embratel</a> anuncia o fornecimento de solução de Internet das Coisas (IoT) para a Nastek Indústria e Tecnologia, uma das maiores empresas de tecnologia automatizada e rastreamento de veículos do Brasil. Com um vasto portfólio de serviços integrados de Telecomunicações, TI e Mobilidade Corporativa, a Embratel oferece ao cliente um plano na medida certa para o seu negócio. Por meio de 100 linhas do Plano IoT Control, com 20 MB compartilhamento de dados, a solução digital da Embratel permite o controle remoto dos dispositivos da empresa, alocados em seus clientes finais. Com o IoT Control, a Nastek poderá gerenciar o status de suas linhas, executar diagnósticos de conectividade em tempo real e obter relatórios de forma simples e eficiente.</p> <p style="text-align: justify;">“Estamos à frente do mercado ao utilizar um sistema inteligente de Internet das Coisas para controlar o uso de 100 dispositivos móveis, utilizados pelos nossos clientes”, diz José Wanderley Scucuglia, CEO e Diretor Executivo da Nastek Indústria e Tecnologia. Segundo ele, a adoção da solução vai ajudar a empresa a atuar de forma mais estratégica na medição de custos e consumo do pacote contratado em tempo real.</p> <p style="text-align: justify;">“A Nastek buscava alternativas para melhorar seu serviço de atendimento aos clientes. Agora, com a ajuda da Embratel poderá dar um salto de qualidade e garantir uma eficiência única no Brasil”, diz Marcello Miguel, diretor executivo de Marketing e Negócios da Embratel. O executivo destaca que a oferta também garantirá a redução do custo operacional de equipes técnicas e a simplificação da gestão remota de suas linhas e SIM Cards.</p> <p style="text-align: justify;">A Embratel é a empresa mais preparada para as ofertas de Internet das Coisas, pois oferece soluções de Telecomunicações, TI e Mobilidade Corporativa de forma integrada. Por meio da TI e Internet das Coisas, as operações – desde as mais rotineiras até as mais complexas – podem ser automatizadas, assegurando produtividade e competitividade. A base das soluções de Internet das Coisas oferecidas é a infraestrutura de Telecom, TI e Mobilidade da Embratel, que funciona de forma ininterrupta para assegurar conectividade e gestão de milhares de dispositivos.</p> <p style="text-align: justify;">“Essa integração é fundamental para a IoT, uma vez que as máquinas e os dispositivos precisam se comunicar em total sincronia. E é neste cenário que a Embratel se destaca ao fornecer soluções que unem esses universos, tornando possível que as empresas ofereçam esta transformação digital a seus clientes finais”, afirma Marcello Miguel.</p> <p style="text-align: justify;">            A Nastek Indústria e Tecnologia está no Brasil desde 2002 e possui um portfólio completo de produtos de comunicação de dados via rádio-frequência, GPRS/GSM e satélite para serem usados em serviços e missões críticas (utilities, mineração, segurança pública, entre outros). A empresa atua ainda na gestão de risco e logística de eletrônicos, cargas de alto valor, cargas perigosas, além do rastreamento de veículos.</p> <p style="text-align: justify;"> </p> <p style="text-align: justify;"> </p></div> BB instala Wi-Fi em mais de 300 agências para estimular uso do mobile 2017-03-24T00:00:00+00:00 2017-03-24T00:00:00+00:00 http://www.executivosfinanceiros.com.br/internet/4939-bb-instala-wi-fi-em-mais-de-300-agencias-para-estimular-uso-do-mobile Redação <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/5e0b0f600791a4d84bb93e33ba22fb11_L.jpg" alt="BB instala Wi-Fi em mais de 300 agências para estimular uso do mobile" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p style="text-align: justify;">O acesso à Internet é feito com o apoio dos funcionários nas agências, que auxiliam os usuários a baixar o app e apresentam as funcionalidades</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">O Banco do Brasil instalou redes Wi-Fi em mais de 300 agências pelo País durante o primeiro trimestre e estima expandir o serviço para mil unidades até setembro. A iniciativa tem o objetivo de divulgar o aplicativo da instituição e pretende familiarizar os clientes às operações disponíveis nos smartphones e tablets para intensificar o uso do canal.<br /> <br /> O acesso à Internet é feito com o apoio dos funcionários nas agências, que auxiliam os usuários a baixar o app, apresentam as funcionalidades e divulgam a segurança do canal. Segundo o banco, a intimidade com a tecnologia garante uma melhor experiência ao cliente, gerando maior conveniência e, na maioria dos casos, dispensa a necessidade de deslocamento até as agências bancárias. "A satisfação dos clientes que utilizam o modelo de atendimento digital é 21% superior daqueles que utilizam o atendimento físico. A solução para o cliente está disponível na palma da mão e pode ser feita em qualquer lugar," ressalta o diretor de clientes pessoas físicas do BB, Simão kovalski. <br /> <br /> Pelo aplicativo é possível fazer desde pagamento de boletos, transferências e depósito de cheques, até operações mais complexas, como: contratação de empréstimos, financiamento de veículos e de operações rurais. Apenas em 2016, foram feitas mais de 3 bilhões de transações pelos dispositivos móveis. "As transações realizadas nos canais mobile e Internet representam 65,9% do total do atendimento no BB e o aplicativo do banco já ultrapassou a marca de 11 milhões de usuários", ressalta Gustavo Fosse, diretor de tecnologia do BB.</p> <p style="text-align: justify;"><br /> A pesquisa realizada pela Opinion Box e o Mobile Time apontou o app do Banco do Brasil como um dos cinco mais importantes no dia a dia do brasileiros, atrás apenas de redes sociais e do Google. Entre os aplicativos bancários, o BB é líder em downloads e possui a melhor avaliação dos usuários nas lojas Apple Store e Google Play.</p></div> <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/5e0b0f600791a4d84bb93e33ba22fb11_L.jpg" alt="BB instala Wi-Fi em mais de 300 agências para estimular uso do mobile" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p style="text-align: justify;">O acesso à Internet é feito com o apoio dos funcionários nas agências, que auxiliam os usuários a baixar o app e apresentam as funcionalidades</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">O Banco do Brasil instalou redes Wi-Fi em mais de 300 agências pelo País durante o primeiro trimestre e estima expandir o serviço para mil unidades até setembro. A iniciativa tem o objetivo de divulgar o aplicativo da instituição e pretende familiarizar os clientes às operações disponíveis nos smartphones e tablets para intensificar o uso do canal.<br /> <br /> O acesso à Internet é feito com o apoio dos funcionários nas agências, que auxiliam os usuários a baixar o app, apresentam as funcionalidades e divulgam a segurança do canal. Segundo o banco, a intimidade com a tecnologia garante uma melhor experiência ao cliente, gerando maior conveniência e, na maioria dos casos, dispensa a necessidade de deslocamento até as agências bancárias. "A satisfação dos clientes que utilizam o modelo de atendimento digital é 21% superior daqueles que utilizam o atendimento físico. A solução para o cliente está disponível na palma da mão e pode ser feita em qualquer lugar," ressalta o diretor de clientes pessoas físicas do BB, Simão kovalski. <br /> <br /> Pelo aplicativo é possível fazer desde pagamento de boletos, transferências e depósito de cheques, até operações mais complexas, como: contratação de empréstimos, financiamento de veículos e de operações rurais. Apenas em 2016, foram feitas mais de 3 bilhões de transações pelos dispositivos móveis. "As transações realizadas nos canais mobile e Internet representam 65,9% do total do atendimento no BB e o aplicativo do banco já ultrapassou a marca de 11 milhões de usuários", ressalta Gustavo Fosse, diretor de tecnologia do BB.</p> <p style="text-align: justify;"><br /> A pesquisa realizada pela Opinion Box e o Mobile Time apontou o app do Banco do Brasil como um dos cinco mais importantes no dia a dia do brasileiros, atrás apenas de redes sociais e do Google. Entre os aplicativos bancários, o BB é líder em downloads e possui a melhor avaliação dos usuários nas lojas Apple Store e Google Play.</p></div> Embratel amplia portfólio de soluções digitais com Site Pronto 2017-02-10T00:00:00+00:00 2017-02-10T00:00:00+00:00 http://www.executivosfinanceiros.com.br/internet/4653-embratel-amplia-portfolio-de-solucoes-digitais-com-site-pronto Redação <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/911d43c81faf70f5d193b0df7ffc5aa6_L.jpg" alt="Embratel amplia portfólio de soluções digitais com Site Pronto" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p style="text-align: justify;">Nova oferta permite que pequenas e médias empresas tenham um espaço na web profissional sem esforço</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">A <a href="http://www.embratel.com.br/"><strong>Embratel</strong></a> anuncia o lançamento do Site Pronto Embratel, um produto completo para clientes que ainda não possuem site na web. A nova oferta complementa e reforça o portfólio de Soluções Digitais da Embratel e poderá ser contratada por R$ 49,90 mensais, além de uma taxa única de R$ 209,00 para a criação do portal.</p> <p style="text-align: justify;">Com o Site Pronto, a Embratel entrega tanto a criação quanto a manutenção de um site profissional e relevante em buscas na web, a um custo acessível, para empreendedores de micro e pequenas empresas que não têm tempo ou o conhecimento necessário para construir seu próprio portal utilizando as ferramentas disponíveis no mercado.</p> <p style="text-align: justify;">“Esse lançamento chega para reforçar o portfólio de Soluções Digitais da Embratel. Com ele, o cliente só precisa nos enviar as informações da empresa. A Embratel entregará todo o site”, diz Mário Rachid, diretor executivo de Soluções Digitais da Embratel. O executivo destaca que, na solução contratada, o cliente receberá até três páginas diferentes para o portal. Caso não sejam suficientes, ele poderá contratar páginas adicionais pelos canais de atendimento. Pelo caráter do produto, o Site Pronto será comercializado com foco na loja virtual da Embratel.</p> <p style="text-align: justify;">Segundo Mário Rachid, uma das principais vantagens da nova oferta é que o site já será entregue com práticas de SEO para que o cliente possa ser encontrado pelos buscadores da Internet. O empreendedor também poderá solicitar a integração de seu portal com as plataformas Google Maps e YouTube, facilitando a navegação de seu usuário final. Além disso, o Site Pronto oferece ao cliente cinco caixas de e-mail.</p> <p style="text-align: justify;">Para a contratação do produto, não há período mínimo de fidelização. “Isso permite que o empresário foque no seu negócio sem se preocupar.”, diz Mário Rachid.</p> <p style="text-align: justify;">O Site Pronto da Embratel chega ao mercado como um produto completo. Ao entregar o portal para o cliente, a Embratel já prevê a versão mobile das páginas, tornando o canal disponível e adaptável para todas as plataformas, como smartphones, tablets, entre outras. Caso o cliente ainda não possua um domínio no ato da contratação do produto, a Embratel também oferece o registro do endereço.</p> <p style="text-align: justify;">No fim do processo de criação, mesmo que o cliente não conheça a linguagem e a tecnologia para construção de sites, ele aprovará o portal e poderá solicitar alterações antes de sua publicação. Além disso, terá direito a até três ajustes por mês, que serão feitos pela equipe técnica e especializada da Embratel, com suporte 24h durante os 7 dias da semana, sem nenhum custo extra.</p> <p style="text-align: justify;"> </p></div> <div class="K2FeedImage"><img src="http://www.executivosfinanceiros.com.br/media/k2/items/cache/911d43c81faf70f5d193b0df7ffc5aa6_L.jpg" alt="Embratel amplia portfólio de soluções digitais com Site Pronto" /></div><div class="K2FeedIntroText"><p style="text-align: justify;">Nova oferta permite que pequenas e médias empresas tenham um espaço na web profissional sem esforço</p> </div><div class="K2FeedFullText"> <p style="text-align: justify;">A <a href="http://www.embratel.com.br/"><strong>Embratel</strong></a> anuncia o lançamento do Site Pronto Embratel, um produto completo para clientes que ainda não possuem site na web. A nova oferta complementa e reforça o portfólio de Soluções Digitais da Embratel e poderá ser contratada por R$ 49,90 mensais, além de uma taxa única de R$ 209,00 para a criação do portal.</p> <p style="text-align: justify;">Com o Site Pronto, a Embratel entrega tanto a criação quanto a manutenção de um site profissional e relevante em buscas na web, a um custo acessível, para empreendedores de micro e pequenas empresas que não têm tempo ou o conhecimento necessário para construir seu próprio portal utilizando as ferramentas disponíveis no mercado.</p> <p style="text-align: justify;">“Esse lançamento chega para reforçar o portfólio de Soluções Digitais da Embratel. Com ele, o cliente só precisa nos enviar as informações da empresa. A Embratel entregará todo o site”, diz Mário Rachid, diretor executivo de Soluções Digitais da Embratel. O executivo destaca que, na solução contratada, o cliente receberá até três páginas diferentes para o portal. Caso não sejam suficientes, ele poderá contratar páginas adicionais pelos canais de atendimento. Pelo caráter do produto, o Site Pronto será comercializado com foco na loja virtual da Embratel.</p> <p style="text-align: justify;">Segundo Mário Rachid, uma das principais vantagens da nova oferta é que o site já será entregue com práticas de SEO para que o cliente possa ser encontrado pelos buscadores da Internet. O empreendedor também poderá solicitar a integração de seu portal com as plataformas Google Maps e YouTube, facilitando a navegação de seu usuário final. Além disso, o Site Pronto oferece ao cliente cinco caixas de e-mail.</p> <p style="text-align: justify;">Para a contratação do produto, não há período mínimo de fidelização. “Isso permite que o empresário foque no seu negócio sem se preocupar.”, diz Mário Rachid.</p> <p style="text-align: justify;">O Site Pronto da Embratel chega ao mercado como um produto completo. Ao entregar o portal para o cliente, a Embratel já prevê a versão mobile das páginas, tornando o canal disponível e adaptável para todas as plataformas, como smartphones, tablets, entre outras. Caso o cliente ainda não possua um domínio no ato da contratação do produto, a Embratel também oferece o registro do endereço.</p> <p style="text-align: justify;">No fim do processo de criação, mesmo que o cliente não conheça a linguagem e a tecnologia para construção de sites, ele aprovará o portal e poderá solicitar alterações antes de sua publicação. Além disso, terá direito a até três ajustes por mês, que serão feitos pela equipe técnica e especializada da Embratel, com suporte 24h durante os 7 dias da semana, sem nenhum custo extra.</p> <p style="text-align: justify;"> </p></div>