Redes Sociais - Executivos Financeiros - Executivos Financeiros http://www.executivosfinanceiros.com.br Mon, 27 May 2019 01:25:41 +0000 Joomla! - Open Source Content Management pt-br Hi Platform integra seus produtos com o WhatsApp Business http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/6376-hi-platform-integra-seus-produtos-com-o-whatsapp-business http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/6376-hi-platform-integra-seus-produtos-com-o-whatsapp-business Hi Platform integra seus produtos com o WhatsApp Business

Canal permitirá atendimento automatizado por meio de um chatbot

A Hi Platform, plataforma de relacionamento com o consumidor, anuncia a integração dos seus produtos de atendimento digital, chatbot e chat online, com o WhatsApp Business. Para a empresa, a novidade será mais um passo na transformação da qualidade do atendimento, com potencial de ajudar na migração do tradicional canal – telefone – para as plataformas digitais, movimento que já tem acontecido nos últimos anos. 

A partir de agora as empresas podem utilizar as soluções da Hi Platform para atender seus clientes diretamente pelo WhatsApp, de forma automatizada com um chatbot que utiliza inteligência artificial para entender e responder as perguntas, ou interligando diretamente com o atendimento humano, via chat. 

De acordo com Alexandre Bernardoni, sócio fundador da Hi Platform, a integração abre mais uma porta para que milhares de consumidores façam contato com as companhias, com uma experiência muito melhor do que usando os tradicionais canais telefônicos. 

“Acredito que a adaptação será gradual e extremamente positiva para as empresas, pois abrirá uma grande porta para que milhares de pessoas façam contato por meio do aplicativo. Começar validando a funcionalidade com a equipe interna e depois disponibilizar o canal para os clientes pode ser uma boa forma de as companhias testarem como essas conversas vão funcionar”, ressalta. 

Para Bernardoni, se as empresas souberem como usar o WhatsApp para atuar verdadeiramente como redutor de atritos e gerador de confiança, será extremamente cômodo para o consumidor que, há muito tempo, dá sinais claros de falta de paciência para recorrer ao SAC ou ficar sendo transferido durante uma ligação, repetidamente, quando busca algum tipo de informação”. 

O especialista destaca a segurança das mensagens trocadas pelo WhatsApp por serem criptografadas de ponta a ponta, permitindo que fotos, vídeos, arquivos, mensagens de voz e até ligações, sejam lidos apenas pelo remetente e pelo destinatário, sendo o acesso bloqueado até mesmo para o próprio WhatsApp. 

“Para usufruir da nova funcionalidade, cabe às empresas entenderem o quanto de atendimento será automatizado com a ajuda dos robôs virtuais, que enviarão respostas em até 24 horas via WhatsApp para os consumidores e quais demandas deverão ser encaminhadas para um atendimento humano”, completa Alexandre Bernardoni.

 

]]>
Redes Sociais Thu, 09 Aug 2018 00:00:00 +0000
WhatsApp Business deve mudar relações entre empresas e consumidores no Brasil http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/6262-whatsapp-business-deve-mudar-relacoes-entre-empresas-e-consumidores-no-brasil http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/6262-whatsapp-business-deve-mudar-relacoes-entre-empresas-e-consumidores-no-brasil WhatsApp Business deve mudar relações entre empresas e consumidores no Brasil

Para CEO da Hi Platform, novidade pode acelerar a migração do tradicional canal telefônico para as plataformas digitais

Apenas uma semana depois de seu lançamento inicial no mercado externo (EUA, México, Reino Unido, Itália e Indonésia), o WhatsApp Business (Android) chega ao Brasil. Marcelo Pugliesi, CEO da Hi Platform, player no mercado de plataformas digitais para o relacionamento ao consumidor, acredita que a novidade será a grande transformadora na qualidade do atendimento, com potencial para provocar em definitivo a migração do tradicional canal telefônico para as plataformas digitais.

"O WhatsApp chega para contribuir para a mudança na relação entre empresas e consumidores, sendo positivo para o cliente e cheio de desafios para as organizações. Por enquanto, é uma ferramenta voltada para pequenas e médias empresas. Acredito que, em breve, haverá uma versão para as grandes. No entanto, as corporações terão que se reestruturar para atender em grande escala, pois entendemos que a demanda será alta", explica.

O executivo ressalta ainda que os canais tradicionais, como o telefone, atualmente o mais usado, seguem uma tendência de queda, visto que o chat online e os aplicativos de atendimento, lançados anteriormente ao WhatsApp Business, estão se tornando os canais preferidos pelos consumidores.

Para Pugliesi, a expectativa para os próximos meses é que o WhatsApp Business faça o movimento para as empresas maiores, o que será possível com plataformas de atendimento, como o chatbot (atendimento com robô). "Haverá uma evolução muito grande se, futuramente, empresas e consumidores também puderem se relacionar com os robôs dentro do aplicativo, em uma integração com demais canais de atendimento", completa.

A pesquisa "O Retrato dos serviços ao cliente no Brasil", realizada em 2017 pelo Centro de Inteligência Padrão (CIP) e OnYou, constatou que, apesar da presença maciça dos canais tradicionais (Telefone e E-mail/Fale Conosco), as empresas estão investindo cada vez mais em canais alternativos para atender o consumidor brasileiro, como o Chat e o WhatsApp. Embora não considerada uma plataforma oficial de atendimento, o estudo verificou que a oferta do aplicativo chegou a ser sete vezes maior em 2017, em comparação a 2015 (de 1% para 6,9%. da oferta)

]]>
Redes Sociais Tue, 06 Feb 2018 00:00:00 +0000
Redes Sociais: cresce investimento em anúncios e uso de vídeo http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/6215-redes-sociais-cresce-investimento-em-anuncios-e-uso-de-video http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/6215-redes-sociais-cresce-investimento-em-anuncios-e-uso-de-video Redes Sociais: cresce investimento em anúncios e uso de vídeo

Relatório “Paid Social Trends”, da iProspect, constata forte expansão da presença das marcas nestas mídias

A digitalização do comportamento do consumidor começa a se refletir mais rapidamente nos investimentos em mídia das marcas, e o vídeo tem um papel fundamental neste processo. É o que revela a pesquisa “Paid Social Trends” da iProspect, agência de marketing full performance presente em 54 países.

A pesquisa foi realizada com mais de 210 marcas, cujas ações abrangem investimentos em vários países, incluindo o Brasil. Esta edição mostra que o investimento em anúncios em redes sociais cresceu 78% (jan-set 2016x2017) e o uso de inserções em vídeo no Facebook subiu 41% (3° tri 2016x2017).

Segundo Paola Máximo, diretora operacional da iProspect, “a presença das marcas em redes sociais por meio de anúncios cresce fortemente, impulsionada pelo requinte de informações que possuímos para criar estratégias de comunicação assertivas e relevantes, além do engajamento do consumidor nas plataformas. Com o crescimento do investimento,  a mensuração da performance, através de diferentes KPIS, também foi aprimorada de forma significativa”.

O investimento, porém, variou bastante dentro das redes pesquisadas (Facebook, Instagram, Pinterest, Snap e Twitter). No Twitter e Pinterest, o gasto diminuiu 12% e 35%, respectivamente, enquanto com o Facebook cresceu 36% (3° tri 2016x2017). Isso pode ser atribuído para o desempenho historicamente mais forte do Facebook em relação ao impulsionamento de vendas, especialmente nas proximidades das festas de fim de ano.

Considerando-se o período de jan-set de 2017x2016, o custo no Facebook e Instagram cresceu 130% e 104%, enquanto as demais redes apresentaram quedas significativas. Esses aumentos são devidos principalmente à maior adesão dos clientes e a aplicação de estratégias completas de “funil” para capturar leads nestas plataformas.

Faz mais ou menos um ano que o Facebook anunciou que se tornaria uma companhia “vídeo-first” e isso já se evidencia com o crescimento de 41% em social video ad placements (3° tri 2016x2017). O estudo identificou esse crescimento em todas as verticais, mais especialmente nos setores de Automóvel e Bens de Consumo.

“Estamos vendo mais vídeos criativos adicionados às campanhas existentes, mas mais notavelmente estamos acompanhando a transferência da verba normalmente utilizada em outros canais digitais para o social video. Além disso, há clientes redistribuindo o orçamento da TV para impulsionar os vídeos sociais e aprofundar sua segmentação, eficiência e mensuração”, ressalta Paola Máximo.

O relatório completo pode ser acessado em: https://www.iprospect.com/en/us/insights/povs/paid-social-trends-2017-q3/

]]>
Redes Sociais Fri, 12 Jan 2018 00:00:00 +0000
Chatbot realiza 70% dos atendimentos do BB em rede social http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/6213-chatbot-realiza-70-dos-atendimentos-do-bb-em-rede-social http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/6213-chatbot-realiza-70-dos-atendimentos-do-bb-em-rede-social Chatbot realiza 70% dos atendimentos do BB em rede social

Objetivo é que ferramenta responda todas as perguntas realizadas no Messenger do banco ainda em 2018

O Banco do Brasil agora tem atendimento por chatbot em redes sociais. A solução foi testada entre os funcionários da empresa em meados de 2017 e, aos poucos, os principais assuntos demandados por clientes foram incluídos na ferramenta, que é baseada em inteligência cognitiva, com interação automática com os clientes que entram em contato com o banco pelo Messenger. O chatbot inicia 2018 atendendo a 70% dos assuntos tratados no canal. 

O assistente virtual do BB é o único do mercado bancário brasileiro baseado em conversação. A apresentação de botões ocorre apenas em ações específicas, como avaliar se uma resposta está correta ou para solicitar atendimento humano. 

Atualmente, o chatbot atende aos temas relacionados a cartão, conta corrente, operações de crédito e Ponto pra Você, o programa de relacionamento do banco. Investimentos e suporte técnico estarão disponíveis para os clientes ainda no primeiro bimestre deste ano. O objetivo é que o bot responda a 100% das perguntas realizadas no Messenger do Banco do Brasil ainda em 2018.

As melhorias e atualizações são realizadas constantemente, de acordo com as interações e com as percepções coletadas pela equipe de curadoria da ferramenta. Desde agosto de 2017, quando a solução começou a ser disponibilizada para os clientes, o chatbot realizou mais de 320 mil interações.

A acurácia, ou seja, o percentual de respostas corretas às perguntas dos clientes, é de 77%. O mercado considera muito bom uma acurácia entre 70 e 80%. Quando é necessário algum tipo de interação humana, o atendimento é encaminhado para funcionários do BB que atuam no atendimento em redes sociais.

 

]]>
Redes Sociais Fri, 12 Jan 2018 00:00:00 +0000
Cresce o uso do social selling nas decisões de negócios http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/6030-cresce-o-uso-do-social-selling-nas-decisoes-de-negocios http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/6030-cresce-o-uso-do-social-selling-nas-decisoes-de-negocios Denise Maia, especialista em Social Business da DMS

78% dos decisores usam redes profissionais para negociar e comprovam a força do método

Uma pesquisa realizada pelo LinkedIn, rede profissional com mais de 500 milhões de usuários no mundo e cerca de 30 milhões no Brasil, reforça o emprego desse novo recurso.  Segundo os dados divulgados, dos decisores da compra, 78% usam as redes sociais para pesquisar antes de comprar e 90% deles dizem que nunca respondem ligações frias. Pelo lado dos profissionais de vendas, dentre aqueles que usam táticas de social selling, 78% têm mais chances de superar seus competidores e 95% dos executivos da área de decisão nas empresas que atuam no B2B esperam novos ou diferentes insights de profissionais de vendas.

E se eu dissesse que você poderia contratar uma pessoa, que fará em um mês, mais de mil contatos? E que você não precisaria sequer encostar no telefone? E se essa contratada conseguisse agendar algumas reuniões de clientes de fato interessados em conhecer os seus serviços a um custo bem simpático e acessível? E se essa pessoa também conseguisse gerar relevância em mídia social, fazendo que os leads te enxerguem na rede deles. Parece um devaneio, não é? Mas, na verdade, essa solução foi concretizada e nos trouxe mais de 213 leads.”

A declaração acima é da sócia-diretora da Due Arquitetura e Interiores, Ana Paula Cinato, e foi publicada no campo de recomendações no perfil do LinkedIn da especialista em social business da DMS (Digital Marketing Solutions), Denise Maia, que ela contratou para fazer a gestão da prospecção pelo perfil para geração de novas oportunidades de negócios. 

O social selling oferece a oportunidade de usar as redes profissionais para interpretar comportamentos e as motivações verdadeiras dos clientes. Assim sendo, facilita o trabalho para dimensionar de que produto ou serviço o cliente precisa efetivamente ou deseja. A prática contribui para a construção de relacionamento com possíveis clientes, e por consequência aumenta o desempenho nas vendas.

“Atualmente, temos cerca de 6.200 conexões, mais do que o dobro de conexões quando iniciamos os trabalhos, há cerca de 6 meses. E este aumento foi feito prezando qualidade e não quantidade”, comenta Sylvia Belio, diretora geral da It Line Technology, que adotou o Linkedin Sales Navigator como ferramenta de social selling.  Sylvia contratou Denise para capacitar sua equipe de vendas e fazer a gestão desta prospecção pelo perfil pessoal dos integrantes da empresa. 

“No mês de junho, fechamos 11 novos negócios gerados através de contatos na rede profissional, sendo que um deles havia comprado conosco no passado e retomamos o contato através da ação. Estamos negociando um valor perto de R$ 500.000,00”, comenta Sylvia.

Esses recursos do social selling proporcionam relacionamentos mais sólidos, mas o usuário precisa administrá-lo todo dia, checando atualizações do perfil dos seguidores e identificando o melhor momento para contatos. Uma medida importante é determinar uma estratégia. Portanto, vale pensar quem é o público a ser atingido e como falar com ele.

Não adianta saber usar os recursos disponíveis no LinkedIn para construir a base de leads se antes não souber quem vai atingir. Nessa linha, vale identificar bem o decisor e como está na rede social. Quais os filtros em uma busca que se pode usar para chegar nessa pessoa e se há mais de um decisor.

Os 4 Ps do social selling

Para ter sucesso no trabalho de social selling é preciso dedicação e conhecimento técnico. Denise Maia, uma das maiores conhecedoras do assunto no país, foi um dos quatro brasileiros a integrar a única turma de experts em social selling da América Latina que foram treinados e certificados pelo LinkedIn em meados de setembro.

Dentre as estratégias para potencializar os resultados, Denise destaca e explica como funciona o método de sustentação dos novos 4Ps do social selling.

Posicionamento

O primeiro P é posicionamento, ou seja, como o profissional aparece na rede. De que forma aparece o seu perfil, ele está visualmente adequado? Se sua foto é profissional. Se seu título diz quem você é profissionalmente. Se ali você tem sua jornada profissional descrita da maneira correta. Você é embaixador da sua marca? Resumindo: seu perfil gera credibilidade quando acessado por alguém que não o conhece?

Verifique se as informações de contato estão completas. Observe se o e-mail que aparece é o corporativo ou pessoal; e se você busca contatos profissionais no LinkedIn precisa mostrar também seu contato profissional. O seu e-mail pessoal pode estar cadastrado, mas não deve ser o principal. 

Preste atenção se há acesso fácil como o telefone da empresa ou celular, e se as informações sobre a empresa estão completas. No campo experiência é preciso descrever exatamente quem é a empresa e o que ela oferece. Ter o endereço do site, por exemplo, é mandatório.

E tudo isso é recomendado para o perfil pessoal, não para a página da empresa. A página deve posicionar a organização em que esse profissional atua, compartilhar conteúdo relevante para seu mercado e ter a função também de marca empregadora. Mas é através do perfil pessoal que são feitos os relacionamentos, a troca de mensagens, as recomendações, etc.

Prospecção

O segundo P é a prospecção. A maioria das pessoas atua aceitando convites passiva ou aleatoriamente achando alguém e o adicionando. Para ser assertivo, segundo Denise, é preciso criar sua rede e ela precisa ser direcionada à área de seu interesse profissional. Isso não quer dizer que não se devam aceitar conexões que não tenham esse objetivo. 

As pessoas podem não atuar na mesma área, mas quem sabe dispõem de uma rede interessante. “Antes de aceitar um convite entre no perfil da pessoa. Veja se tem afinidades, porque o contato pode ser interessante. Na hora de convidar tenha critério. Traga pessoas pensando em uma rede com qualidade e não quantidade. Ter uma rede grande é importante, mas uma qualificada é melhor”, aconselha.

Existe uma série de recursos no LinkedIn em que você pode abrir pesquisas por empresa, cargo, localidade ou segmento. Com o LinkedIn Sales Navigator esses recursos se multiplicam usando o “lead builder”.

Proximidade

No momento da conexão, surge o terceiro P, que é a proximidade. É preciso pensar como se aproximar de uma pessoa sem ser invasivo, sem ser uma conexão solta, personalizando o convite e dizendo por que está conectando. Se sua conexão for aceita, se apresente, mas não peça nada. “Quantas vezes recebemos um currículo que a gente não conhece, não tem ninguém em comum. Isso é invasivo mesmo que você seja um recrutador”, exemplifica 

Para chegar-se a um dono de uma empresa, por exemplo, veja primeiro se há alguém que possa apresentá-lo. O procedimento é simples, basta entrar na rede e se tiver em segundo grau de aproximação significa que há um contato comum entre as partes. Logo abaixo do campo aparece o nome desse contato. Isso gera mais credibilidade na hora da conexão.

Presença

O quarto P é a presença, isto é, você deve estar visível para sua rede, atuando no feed de notícias, mas com foco e compartilhando informações e experiências que agreguem. “Aquilo que você publica diz muito sobre você. Se você compartilha conteúdo irrelevante, você se torna uma pessoa irrelevante e vice-versa”, afirma Denise Maia.

Fuja das discussões, dos comentários agressivos. Ali não é o foro para isso. O que você fala na sua roda de amigos está dentro de um contexto, é compartilhado com quem você conhece. Na rede social isso pode passar uma percepção errada para pessoas sobre quem você é.

]]>
Redes Sociais Mon, 02 Oct 2017 00:00:00 +0000
Twitter anuncia parceria de conteúdo ao vivo com Canal Fox nos EUA http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/5999-twitter-anuncia-parceria-de-conteudo-ao-vivo-com-canal-fox-nos-eua http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/5999-twitter-anuncia-parceria-de-conteudo-ao-vivo-com-canal-fox-nos-eua Twitter anuncia parceria de conteúdo ao vivo com Canal Fox nos EUA

Será transmitido semanalmente, com exclusividade, um pré-show da série Empire

A partir desta quarta-feira (20), o Twitter passa a transmitir semanalmente, com exclusividade em sua plataforma, um “pré-show” (programa exibido antes do episódio) da série Empire, da Fox. O programa será exibido ao vivo, globalmente, durante toda a temporada, reunindo convidados, estrelas da série, jornalistas e influenciadores para discutir a atração.

Os fãs podem assistir o pré-show às quarta-feiras, a partir das 20h30 (horário de Brasília) no perfil da Empire no Twitter (@EmpireFOX) e acompanhar e participar das conversas sobre o assunto usando a hashtag #EmpirePreShow.

O Twitter mostra o que está acontecendo no mundo agora e o que as pessoas estão falando neste exato momento. De últimas notícias e entretenimento a esportes e interesses cotidianos, incluindo conteúdos ao vivo, é possível encontrar todos os lados de uma mesma história nas conversas em que todos estão convidados a participar.

Disponível em mais de 40 idiomas em todo o mundo, o serviço pode ser acessado via twitter.com e dispositivos móveis. Para mais informações, visite about.twitter.com, siga @Twitter e baixe os aplicativos do Twitter e do Periscope via twitter.com/download e periscope.tv.

]]>
Redes Sociais Thu, 21 Sep 2017 00:00:00 +0000
Parceria entre Itaú e WhatsApp cria piloto de aplicativo http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/5949-parceria-entre-itau-e-whatsapp-cria-piloto-de-aplicativo http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/5949-parceria-entre-itau-e-whatsapp-cria-piloto-de-aplicativo Parceria entre Itaú e WhatsApp cria piloto de aplicativo

Solução corporativa disponibilizará o contato com o gerente digital e, posteriormente, notificações e alertas

O Itaú Unibanco e WhatsApp firmaram parceria e dão início a um piloto para solução corporativa. Os testes começam em breve com clientes Personnalité Digital, com expansão do serviço feita de forma gradativa, sempre garantindo a qualidade aos clientes do banco. A parceria é exclusiva no Brasil e o Itaú Unibanco é a primeira instituição financeira a participar do projeto. 

Os consumidores estão cada vez mais digitais e, por conta disso, surge a necessidade de contatos mais ágeis com o banco. A iniciativa é fruto dessa demanda. Neste primeiro momento, o projeto visa permitir o diálogo entre clientes digitais e os gerentes de suas contas. O envio de notificações e alertas são funcionalidades que já estão sendo estudadas. 

O banco acredita no potencial da ferramenta corporativa e buscará disponibilizar rapidamente a maior oferta de serviços possíveis a seus clientes por meio dela. 

“Estarmos sempre presentes na vida do cliente, na forma e no momento em que ele tiver necessidade. É um ideal que buscamos. O desenvolvimento de uma solução como esta será crucial para tangibilizarmos esse objetivo”, afirma Luis Cunha, diretor executivo do Itaú Unibanco. 

A empreitada contará com o envolvimento de mais de 50 colaboradores de diversas área do Itaú Unibanco, como Atendimento Digital, User Experience, Design, Marketing e Tecnologia, em contato direto com a matriz do WhatsApp no Vale do Silício.

]]>
Redes Sociais Tue, 05 Sep 2017 00:00:00 +0000
WhatsApp é o app de rede social mais usado pelos internautas brasileiros http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/5891-whatsapp-e-o-app-de-rede-social-mais-usado-pelos-internautas-brasileiros http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/5891-whatsapp-e-o-app-de-rede-social-mais-usado-pelos-internautas-brasileiros WhatsApp é o app de rede social mais usado pelos internautas brasileiros

De acordo com o Conecta, aplicativo é usado por 91% das pessoas que acessam a Internet

O WhatsApp é o app mais usado pelos internautas brasileiros. Pesquisa do Conecta mostra que o aplicativo é usado por 91% dos internautas, o que o deixa no topo do ranking, conforme indica o resultado do CONECTAí Express. O Facebook, o Instagram, o Messenger e o Twitter completam a lista dos cinco primeiros.

A pesquisa foi realizada com 2.000 internautas em junho de 2017 por meio do CONECTAí Express, pesquisa trimestral, online, multiclientes, com cobertura nacional, que permite responder a qualquer tipo de pergunta de forma exclusiva, rápida e econômica.

Conecta é a plataforma web do Ibope Inteligência. Seu foco está na fusão da pesquisa online tradicional, tecnologia para gestão de painéis online – CONECTAí – e soluções interativas de marketing digital.

Para seguir a empresa nas redes sociais:

@conectai

http://www.facebook.com/ConectaiBrasil

]]>
Redes Sociais Thu, 17 Aug 2017 00:00:00 +0000
Parceria do Facebook com iProspect permite publicidade por meio do Messenger http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/5705-parceria-do-facebook-com-iprospect-permite-publicidade-por-meio http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/5705-parceria-do-facebook-com-iprospect-permite-publicidade-por-meio Parceria do Facebook com iProspect permite publicidade por meio do Messenger

Testes de anúncios serão expandidos para todos os mercados

A agência de marketing digital iProspect antecipa as novidades do aplicativo Messenger anunciadas recentemente pelo Facebook. Com a mudança, as empresas poderão lançar anúncios no aplicativo de bate-papo. A companhia anunciou que os testes de anúncios no Messenger irão expandir-se para todos os mercados, que poderão usar o direcionamento do Facebook para alcançar as pessoas pelo Messenger.

Para Rafael Rodrigues, gerente de mídia da iProspect, as marcas terão a oportunidade de alcançar seu público com mais um formato de mídia, de acordo com hábitos, preferências e costumes de cada consumidor. “Precisamos cada vez mais de estratégias para a comunicação com nosso público-alvo. Só que a estratégia no novo canal precisa ser bem direcionada, de forma natural e espontânea sem ser invasiva”, afirma o executivo. Os anúncios serão vistos na página inicial do aplicativo móvel. Ao tocar na publicidade, os usuários serão enviados ao destino escolhido durante a criação do anúncio que pode ser o site ou uma conversa no Messenger.

Semelhante à forma como os anúncios do Facebook e Instagram podem ser ativados e estendidos para o Facebook Audience Network, agora será possível expandi-los para o Messenger. Originalmente a rede social lançou o a plataforma livre de anúncios que despertou interesse de sua audiência. Paralelamente, o Facebook passou a avaliar o comportamento natural do usuário dentro do aplicativo para ditar o formato e a experiência dos anúncios.

Com mais de 1,2 bilhão de usuários ativos mensalmente, o Messenger tem mais de 2 bilhões de mensagens/mês entre pessoas e empresas, de acordo com o Facebook. Com a aplicação da inteligência artificial desde as buscas por voz até aplicativos de bate-papo e de anotações, os dados do Messenger podem aumentar o poder e expandir a sofisticação publicitária da rede social.

Por enquanto, os novos anúncios darão suporte a todas as segmentações disponíveis, com objetivos de clique e conversão. As marcas poderão usar imagens únicas e carrosséis e, em breve, vídeos, funcionalidade que estará disponível em todos os mercados.

 

 

]]>
Redes Sociais Fri, 14 Jul 2017 00:00:00 +0000
WhatsApp é o segundo canal preferido de negociação, aponta pesquisa da Intervalor http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/5268-whatsapp-e-o-segundo-canal-preferido-de-negociacao-aponta-pesquisa-da-intervalor http://www.executivosfinanceiros.com.br/redes-sociais/5268-whatsapp-e-o-segundo-canal-preferido-de-negociacao-aponta-pesquisa-da-intervalor WhatsApp é o segundo canal preferido de negociação, aponta pesquisa da Intervalor

O telefone é o principal canal, com 52% dos entrevistados. A rede social detém uma parcela de 20% da preferência

A Intervalor, empresa especializada em crédito, cobrança, back office e  relacionamento, fez uma pesquisa para identificar qual o meio preferido de negociação. O resultado apontou que 52% dos entrevistados preferem o telefone como principal canal, mas o WhatsApp já está caindo na graça dos consumidores, com 20% da preferência.

“Já era esperado que o telefone fosse apontado como canal preferido de negociação, principalmente por uma questão cultural, considerando que até pouco tempo atrás, era um dos únicos canais que permitia interação à distância com uma empresa”, declara Phelipe Alvarez, diretor comercial e marketing da Intervalor.

O índice de clientes que apontaram o WhatsApp como canal preferencial, por sua vez, não surpreendeu à Intervalor, e a empresa acredita que este meio deve crescer significativamente, à medida que tais consumidores experimentarem formas mais convenientes de resolver problemas simples do seu cotidiano, como pagar uma dívida.

“O consumidor, de todas as classes, já está pronto para uma interação digital há bastante tempo, uma vez que já incorporou essa realidade em seu cotidiano pessoal. Cabe às empresas entender como ser relevante na interação digital com o consumidor. Sendo relevante, uma oferta para compra de um produto ou pagamento de uma dívida que apareça na timeline do Facebook, não incomodará o consumidor”, afirma Alvarez.

No caso de cobrança, a interação digital é ainda mais sensível, uma vez que 27% dos consumidores devem para três ou mais credores e os recursos para pagamento são limitados. “Vai ser mais bem sucedida a empresa que souber empoderar o devedor, ou seja, lhe der opções para resolver, quando e como ele quiser”, finaliza o executivo.  

 

]]>
Redes Sociais Mon, 08 May 2017 00:00:00 +0000